A internet está chocada com os mastins tibetanos, cães gigantescos populares na Ásia

Ninguém sabe realmente como a raça Mastim tibetano surgiu. A raça é tão antiga e o Tibete sempre foi tão isolado, que talvez nunca possamos descobrir. Uma coisa é clara, no entanto, eles são enormes. As fêmeas crescem 61–71 cm e 34–54 kg, enquanto os machos até a uns “modestos” 66–76 cm e 45–73 kg de peso.

Para mostrar o tamanho deles, muitos donos estão postando fotos engraçadas de seus Mastins “gigantes” tibetanos.

Os mastins tibetanos são uma grande raça de cães tibetanos pertencente à família mastim. Originários das culturas nômades do Tibete, China, Mongólia, Índia e Nepal, são usados ​​pelas tribos locais dos tibetanos para proteger as ovelhas dos lobos, leopardos, ursos e tigres.

Alguns criadores diferenciam a raça entre dois “tipos”, o Do-khyi e o Tsang- khyi . O Tsang- khyi (que, na lingua do Tibete, significa apenas “cachorro de Tsang”) é descrito como geralmente mais alto, mais pesado e mais desossado, com mais rugas e pontos faciais do que o Do-khyi ou “nômada”.

Os machos podem atingir a altura de até 83 cm e a raça nativa do Mastim Tibetano geralmente pesava entre 55 e 90 kg.

Como um cão socializado e mais doméstico, ele pode prosperar em um quintal espaçoso na companhia de um ou mais companheiros caninos, mas geralmente não é um cão apropriado para morar em apartamentos.

Os cães de raça ocidental são geralmente mais descontraídos, embora um pouco distantes com estranhos que chegam pela primeira vez em sua casa. Através de centenas de anos de criação seletiva para ser um protetor de rebanhos e guardião da família, a raça é conhecida por serem autenticos sentinelas noturnos, mantendo afastados pretensos predadores e intrusos, latindo ao longo da noite.

Deixar um Mastim tibetano fora de casa a noite toda com vizinhos próximos não é recomendado. Eles costumam dormir durante o dia, tornando-os mais ativos, alertas e atentos à noite.

Fonte: Bored Panda

Confira abaixo algumas fotos:

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários