Canina golden retriever ganha companhia de gatinho para superar ansiedade: e deu certo

O motivo que poderia ser de briga e ciúmes se tornou um laço de amizade que fortaleceu Lucy, que se sentia triste quando os donos saíam de casa.

Se sentir sozinho (a) é uma experiência que todo cachorro experimentará ao menos uma vez na vida.

Mesmo que more em um lar cheio de pessoas e amor, é normal que seus tutores saiam, deixando-o em casa sozinho. Porém, em alguns casos, o sentimento de falta é tão expressivo que se tornam problemas sérios, inclusive com indicação médica do uso de antidepressivos.

Foi o que ocorreu com Lucy, uma Golden Retriever que literalmente desmoronava quando seus donos tinham que sair.

Chorava e ficava na cama o dia todo, não saía nem para ir ao banheiro. O quadro, é claro, preocupou o casal Lindsey e Jose Getz, moradores da cidade de Pensilvânia nos Estados Unidos, que ao procurar o veterinário, o mesmo sugeriu o uso de medicamentos.

A família no entanto hesitou, já que Lucy já fazia tratamento para tireoide. Sem nenhuma solução à vista, a situação continuava se estendendo. Até que, um dos dois filhos dos Getz, de 3 e 6 anos de idade, começaram a implorar por um novo animal de estimação.

O pedido atendido, resultou na adoção de um gatinho chamado Pete, da imagem a seguir:

Foto: Lucy | Lindsey Getz

Inicialmente, a família se preocupou com a reação de Lucy, já que ela poderia se sentir deixada de lado com a chegada de um novo integrante. A receptividade porém, surpreendeu a todos. Rapidamente, Pete e Lucy se tornaram grandes amigos.

Não acredita? Então espia essas fotos que falam por si só:

Foto: Lucy | Lindsey Getz
Foto: Lucy | Lindsey Getz
Foto: Lucy | Lindsey Getz

Conclusão da história: Lucy não mais se sentiu tão sozinha quando os donos tinham que sair e o comportamento dela melhorou gradativamente, mas de forma muito positiva. Vai ver o que estava faltando era mesmo uma companhia peluda, né? E aí, gostou dessa história de superação por meio da amizade??

Ana Caroline Haubert

Jovem (mais na idade do que na postura), curiosa (quem, o quê, onde, como, quando e por quê), analítica (sempre em busca de respostas), e estudante de jornalismo. Com sede de conhecimento, tem calafrios de rotinas monótonas e repetitivas. É ainda, inconformada com mais do mesmo, buscando dessa forma, descobrir o seu lugar no mundo. Prazer, sou Ana Caroline Haubert, gaúcha lá de Passo Fundo. Sugestões, críticas, pautas e opiniões são bem-vindas no meu email: caroline_hauber@hotmail.com

Comentários