Mulher cria casinhas para animais de rua com caixinhas de leite

A paixão por animais é a motivação diária da empresária Rita Lopes. Auxiliar cães e gatos doentes, resgatá-los em caso de atropelamento, oferecer lar temporário. Doar ração e compartilhar via redes sociais casos de fuga ou perda fazem parte das ações beneficentes realizadas por ela, sempre com apoio de amigos e parceiros sensíveis à causa animal.

Desde 2016, uma das preocupações de Rita é oportunizar que os animais de rua possam ter abrigo. Foi aí que, com o auxílio do parceiro de ações voluntárias, Valtezer Míchels, ela colocou em prática o projeto Casinhas dos Anjos de 4 Patas Comunitários. De lá para cá, foram mais de 200 moradias feitas com bacias plásticas distribuídas em Santa Maria.

No ano passado, Rita teve a ideia de construir casinhas com caixas de leite. De outubro a fevereiro, já foram doados cerca de 10 “lares” para os bichinhos. A perspectiva dela é que, ainda neste mês, mais 10 unidades sejam distribuídas. Mas, tudo vai depender da demanda e da mão de obra que terá à disposição.

– Os lares feitos de bacias plásticas serviam apenas para os “anjinhos” (modo carinhoso com que Rita se refere aos cães) de porte pequeno e médio. Em meados de 2018, decidimos produzir, também, casinhas com caixas de leite. Assim, ajudamos a preservar o meio ambiente – explica Rita.

MAIS BARATO

Segundo ela, trabalhar com as caixinhas é mais fácil porque não envolve valor financeiro, apenas material que seria descartado no lixo. Além disso, quem conhece um cão comunitário pode pedir uma casinha, que ela será doada.

– Quem quiser nos ajudar pode se voluntariar para a mão de obra ou doar caixas de leite, fitas e sacos plásticos (utilizados para encapar as caixas). Precisamos formar uma equipe, que nos ajude a fazer as colunas das casas – comenta Rita.

Conforme a voluntária, para fazer uma casinha são necessárias de 130 a 140 caixas. Do início à conclusão do trabalho, ela precisa de, pelo menos, quatro horas. Antes de atender aos pedidos, a equipe pergunta tamanho e peso do animal para que a “residência” ofereça, além de abrigo, conforto.

Um dos cães beneficiados pelo projeto de Rita é Didi, que vive nas proximidades da Rua Ernesto Beck, no Bairro Rosário. Há dois meses, ele ganhou um lar, onde se abriga à noite e quando chove. Sempre que precisa, Didi corre para a casinha.

MULTIPLICANDO A IDEIA

Um dos desejos da voluntária é incentivar crianças e jovens a amar e cuidar dos animais:

– Estou à disposição das escolas que desejem implantar esse projeto. Os alunos podem fazer as casinhas e levar para os bairros onde moram ou em locais que tenham cachorrinhos desabrigados. O diretor de escola que tiver interesse, pode nos contatar. Inclusive, podemos levar o material.

O anseio de Rita pelo bem-estar dos animas vai além. Ela chegou a resgatar cãezinhos abandonados ou doentes e a encaminhá-los para a adoção. Criteriosa, a benfeitora não entrega os pets sem ter certeza de que eles estarão seguros e cuidados no novo lar.

Devido a um problema de saúde, ela não consegue fazer mais ações, como gostaria. Ainda assim, nas redes sociais, é atuante em campanhas de castração, pedido de medicamentos e adoção.

RECONHECIMENTO

A funcionária pública Rose Trevisan, amiga de longa data de Rita, é uma das admiradoras das ações da empresária. Além de acompanhar o pedidos de recursos, Rose ajuda a divulgar o projeto.

– Sei o quanto a Rita se envolve com isso. Ela é incansável. Na ação anterior, quando as casas eram feitas de bacias plásticas, ela tirava dinheiro do bolso para a mão de obra. E não é só isso. Ela faz campanha para atendimento veterinário, compra remédios, busca recursos, auxilia

financeiramente, mas não deixa os animais desamparados – conta Rose.

O estabelecimento do empresário Celso Carniel, na Rua Visconde de Pelotas, vizinho de onde fica o depósito das caixinhas arrecadadas, serve como oficina para a montagem dos abrigos.

Como trabalha com brique, ferragem e agropecuária, Carniel ainda se dispõe a contribuir com material. Ele conta que, cada pedido, é entregue mediante assinatura de um termo de recebimento.

– Há muitos cães nas ruas de Santa Maria. Sempre que posso, ajudo. Geralmente, as pessoas retiram as casas na minha empresa, visto que fica aberta por muitas horas. Faço questão de auxiliar diz – o empresário.

Para Rita, a alegria de ver um animal abrigado e bem cuidado é a maior recompensa para todo e qualquer esforço. Para o trabalho seguir adiante, ela espera contar com mais voluntários.

PARA AJUDAR

Além de caixas de leite, fitas adesivas e sacos plásticos, o projeto precisa de voluntários para produzir as casinhas

  • Endereço – Rua Visconde de Pelotas, 297, Bairro Rosário ou Avenida Alcides Roth, 2930, no Bairro Juscelino Kubitschek
  • >Facebook
  • Fanpage
  • Telefone – (55) 99969 -2614 ou 99141-2840

Fonte: Diário via Histórias Com Valor

Comentários

Mais em Notícias