Terapia médica com cães auxilia na redução do estresse de crianças hospitalizadas

Fonte: >Olhar Direto

A Ala Pediátrica do Hospital Universitário Júlio Muller (HUJM), em Cuiabá, recebeu recentemente a visita de vários cachorros de estimação devidamente treinados para fornecer muito amor e carinho aos pacientes internados.

Batizada de “Cão Terapia”, a iniciativa permite que cachorros previamente treinados, considerados dóceis, possam passar um tempo junto dos pacientes da instituição

Todas as crianças internadas no hospital podem receber a visita dos cães, desde que não tenham restrições médicas.

Sucessivos estudos promovidos pela comunidade científica afirmam que a terapia com animais pode trazer benefícios relevantes para os internos, como redução na frequência cardíaca, equilíbrio respiratório e relaxamento corporal.

Numa parceria das ONGs Cão Cuidado, Cão Amor e Espaço Cão Vida com a Diretoria de Bem Estar Animal da Prefeitura De Cuiabá, foi possível desenvolver um projeto piloto entre a classe escolar do hospital Júlio Muller e os voluntários da organizações não-governamentais, cujo objetivo está na construção de “um ambiente lúdico, recreativo, transmitindo ao paciente um tratamento de maior confiança e interação.”

“Esse foi apenas o pontapé inicial, pretendemos incluir essas visitas dentro da rotina de atividades, por entenderemos a importância desse tipo de terapia, além é claro de massificar sobre o cuidado e respeito com os animais”, explicou a diretora de Bem Estar Animal, Saula Ouverney.

Os cães estimulam a socialização das crianças, além de muitos afagos, carinho e diversão durante as visitas, tornando o ambiente hospitalar menos engessado e mais receptivo. Antes de qualquer atendimento, o “cão-terapeuta” passa por um processo de higienização, garantindo a saúde do paciente e a de si mesmo. “O ambiente hospitalar por si só é triste, por isso a necessidade da utilização de estratégias diferenciadas para incrementar o tratamento”, disse a diretora.

Apesar de não existir uma maneira de quantificar os resultados das terapias realizadas até aqui, existem fortes evidências que atestam os efeitos positivos do contato dos pacientes com os animais.

Dentre os muitos exemplos favoráveis, estão o auxílio à criança em entrar em contato com a realidade que a cerca, a melhora da atenção, o estímulo à autoestima e o combate à depressão.

Apontado como um excelente canal de comunicação que é emocionalmente seguro para as crianças (que não se sentem pré-julgadas), a iniciativa ensina responsabilidade, uma vez que a criança precisa cuidar do cão durante o tempo que eles estiverem se divertindo e brincando, eliminando nesse meio-tempo a sensação de isolamento do paciente.

“O animal é um amigo do homem, seja adulto ou criança, visto como um parceiro valioso, pois ele trabalha como co-terapeuta e, junto de profissionais ligados à saúde, são utilizados para incrementar o tratamento de seus pacientes”, finalizou Saula.

Compartilhe o post com seus amigos!

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários