Cachorro comparece a julgamento como vítima na Costa Rica

Nesta segunda-feira (22), um cãozinho chamado “Campeão” se tornou o primeiro animal da América Latina a assistir um julgamento como vítima de maus tratos impetrados por sua antiga dona.

Caso ela seja declarada “culpada” pelo crime, poderá receber pena de até três anos de prisão.

No início do julgamento, o presidente do Tribunal de Atenas, na Costa Rica, solicitou “ordem” entre os presentes.

O cão se comportou muito bem, à exceção de um latido durante a sessão, que estava lotada de testemunhas e pessoas que foram apoiar a vítima.

Há cerca de dois anos, quando ainda era um filhote, Campeão era atendido pelo nome de “Tyson”, batizado assim pelos seus antigos donos.

Testemunhas afirmam que o cachorro foi amarrado com uma corda que afundou na carne de seu pescoço. Ele também estava severamente desnutrido, esquelético e coberto de pulgas.

Responsável por um abrigo de cães de Atenas, a voluntária Dora Castro recebeu uma denúncia de um dos irmãos da dona, que lhe mostrou um vídeo que comprovava os maus tratos que Campeão sofria.

Com o auxílio de autoridades policiais, ela resgatou e tratou o animal. Alguns meses depois, prestou queixa-crime contra os ex-donos do cãozinho.

Graças à uma lei recém-aprovada na Costa Rica, indivíduos que praticam maus tratos contra os animais podem ficar presos por até 3 anos, que é o que Dora e boa parte da população costarriquenha deseja.

Compartilhe o post com seus amigos!

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários