Estudo afirma que gatos se afeiçoam a donos da mesma maneira que crianças com os pais

Boa parte da população apoia a ideia de que os cachorros são os melhores amigos do homem - e que os gatos, por outro lado, são traiçoeiros, pouco confiáveis e independentes, que não se importam conosco.

No entanto, a comunidade científica apresentou recentemente provas de que isso não é verdade. Um estudo sugere que os gatos criam laços de afeto e amor tão profundos com as pessoas quanto cachorros e até mesmo bebês.

Conduzido por cientistas da Oregon State University, nos EUA, comprovou-se que, por mais autônomos que os gatos sejam, eles realmente nos amam – e se importam com seus melhores amigos humanos.

A pesquisa consistia de um experimento que inicialmente trabalhou com bebês humanos, bebês macacos e filhotes de cachorro – relacionando as reações dos animais com a ausência dos humanos com que mais se relacionam (os pais ou os chamados “donos”), a partir da reunião depois de um tempo de ausência.

Cenas do experimento

Constatado a ideia mais óbvia (que os 3 animais possuem laços fortes e seguros com os humanos), os pesquisadores decidiram dar o passo mais ousado, e realizar o experimento com os filhotes de gatos.

O resultado final quebrou o senso comum: 65% dos gatos também possuem fortes laços com seus humanos – afeto que se mantém vivo por toda a vida dos animais.

A pesquisa também constata o que todo mundo que vive com um gato sabe: que a impressão que se tem dos gatos não poderia estar mais errada, e eles evidentemente possuem afeto profundo por nós – mas o demonstram de um jeito mais charmoso, autônomo e ranzinza.

Compartilhe o post com seus amigos!

Fonte: >Hypeness

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários