Cão terapeuta recebe mensagens de amor de crianças após ser diagnosticado com câncer

Apollo foi diagnosticado com um tumor na mandíbula há alguns meses e está em tratamento.

O golden retriever de 8 anos trabalha como cão terapeuta no Hospital Universitário de Jundiaí (SP), sendo um integrante do projeto ‘CãoTerapia’ há dois anos.

Nesta semana, ele recebeu dezenas de cartinhas de gratidão e apoio das crianças da unidade hospitalar.

Foto: Divulgação / Hospital Universitário de Jundiaí

Larissa Hoffmann Antunes, 29, tutora de Apollo, foi quem recebeu as dezenas de cartinhas de apoio, coletadas no hospital por médicos e enfermeiros.

Foto: Divulgação / Hospital Universitário de Jundiaí

“Resolvemos retribuir o carinho do Apollo e também da Larissa para que ela soubesse que estávamos orando e mandando energias positivas”, explica Tatiane, pertencente à equipe do Hospital Universitário de Jundiaí

“Em uma [das cartas], uma menina colocou o telefone do pai dela na carta, no caso do Apollo precisar de carinho”, lembra.

Foto: Divulgação / Hospital Universitário de Jundiaí

“Eu não sei nem descrever o que eu senti enquanto lia todas aquelas mensagens das crianças, aquelas boas energias, o carinho que as crianças, funcionários, os pais e mães das crianças têm pelo Apollo. Fiquei muito emocionada. É muito bom ver o quanto ele é querido. É muito bom ver que o nosso trabalho tem dado resultado. Isso nos deixou com ainda mais vontade de fazer bem a essas crianças, de levar alegria para o hospital”, conta sua tutora.

“Nessas horas de enfermidade, a gente fica com o emocional muito abalado e eu tenho certeza que ele entedia tudo. Ele entendia minha angústia, minha tristeza e me fez um bem muito grande. Eu não sei nem explicar a importância dele na minha vida. Ele é mais do que meu cachorro, ele é meu grande amigo, um companheiro muito especial. Eu tenho certeza que ele entrou na minha vida por um propósito”, diz.

“O Apollo é o primeiro cão a fazer a ‘cãoterapia’ em Jundiaí. O projeto foi apresentado para o hospital e para o controle de infecção. Ele tem autorização para ficar na brinquedoteca e na recepção do hospital, mas não passa dentro da unidade. Claro, tem algumas condições para ele poder ir, como banho antes de ir até a unidade, vacinas em dia e também um laudo veterinário. Tem toda uma burocracia, afinal, é um cachorro dentro de um hospital”, explica a coordenadora do voluntariado.

Foto: Divulgação / Hospital Universitário de Jundiaí

“Ajuda de uma forma que a criança esquece a dor. Lógico, não é uma cura, mas a criança se abre mais para o tratamento e fica feliz com a presença dele. Ele é muito dócil. O ambiente hospitalar é pesado para uma criança e elas interagem tão bem com ele que o tempo passa mais rápido.”

“Isso faz muito, muito bem para ele. Ele adora, ele ama crianças de paixão. Ele adora carinho, adora brincar. O Apollo fica feliz ao entrar no hospital, ele gosta. Eu senti que era minha vez de ajudá-lo. Ele me ajudou muito quando precisei e era minha vez de dar forças para ele”, finaliza.

Compartilhe o post com seus amigos!

Foto: Divulgação / Hospital Universitário de Jundiaí

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários