Homem viaja do RN até SP para adotar cão que sofreu grave acidente e ficou paraplégico

Uma atitude que foi capaz de dar amor e esperança pela primeira vez ao cão Marvin, que ganhou até sobrenome: Superação!

Marvin, um cão que até então era de rua, foi gravemente atropelado por um veículo em 2017, ficando paraplégico, tendo que amputar as patas traseiras.

Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Além da movimentação comprometida, a bexiga de Marvin também foi atingida, não tendo mais controle sobre a urina. Na época, ele foi resgatado e acolhido pela ONG 'Cão sem dono' que cuidou dele. Apesar de ter melhorado, passaram-se três anos sem que Marvin conseguisse ser adotado.

Realidade que foi mudada em janeiro deste ano, quando o agente de viagens, Everton Holanda, viajou mais de 2.500 quilômetros para adotar-lo.

Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Holanda saiu do município de Mossoró no Rio Grande do Norte e foi até São Paulo, onde Marvin estava. "Eu me penalizei, me sensibilizei com a situação e não coloquei obstáculos. Eu realmente só fui buscá-lo. Fui e voltei no mesmo dia", disse.

Marvin ganhou até um sobrenome: Superação. Holanda conta que ficou sabendo do caso de Marvin por meio da página da ONG e acompanhou toda a trajetória - do atropelamento até a recuperação. "Eu sempre via as pessoas falando nos comentários que se morassem perto iriam adotá-lo, mas nunca ninguém adotava. Então decidi fazer isso", conta.

Mesmo com todos os cuidados específicos e necessários, o amor e a vontade em adotar Marvin foram maiores que as adversidades apresentadas. Para os passeios externos, Marvin utiliza uma cadeira adaptada para seu caso. A família, que já possui um pitbull, conta que a adaptação entre eles foi muito tranquila.

Arquivo Pessoal
Arquivo Pessoal

Marvin, além de um lar, ganhou também uma página no Facebook, onde o dono compartilha as experiências e o dia a dia do cachorro. A página já alcançou 5 mil curtidas. História linda demais, não é!?

Compartilhe esse post com seus amigos!

Ana Caroline Haubert

Jovem (mais na idade do que na postura), curiosa (quem, o quê, onde, como, quando e por quê), analítica (sempre em busca de respostas), e estudante de jornalismo. Com sede de conhecimento, tem calafrios de rotinas monótonas e repetitivas. É ainda, inconformada com mais do mesmo, buscando dessa forma, descobrir o seu lugar no mundo. Prazer, sou Ana Caroline Haubert, gaúcha lá de Passo Fundo. Sugestões, críticas, pautas e opiniões são bem-vindas no meu email: caroline_hauber@hotmail.com

Comentários