Logomarca Amo meu PET

Gato com condição rara e seu melhor amigo são adotados por um bondoso casal

Toby sofre de uma condição rara que recebe o nome de Astenia Cutânea Felina (FCA)

Por
em Gatos

Toby era um gatinho de abrigo de oito anos muito tímido e que possui uma condição rara chamada Astenia Cutânea Felina (FCA). Essa doença faz com que sua pele seja muito frágil e solta, assim pequenas coisas podem machucá-lo. 

O felino estava escondido atrás de seu melhor amigo chamado Quinton, um outro gato de pelagem branca e marrom, quando viu pela primeira vez seus novos tutores, Georgina e seu noivo Christopher Lardner. Foi amor à primeira vista.

"Isso significa que seu corpo não está produzindo colágeno adequadamente. Não cicatriza tão bem quanto deveria e cicatriza com muita facilidade”, contou Georgina ao Love Meow.
“Eu os vi no site da RSPCA e instantaneamente me apaixonei. Quando os encontramos, ambos estavam aterrorizados. Toby se escondeu atrás de Quinton o tempo todo, tremendo. Eu não podia nem tocá-lo porque ele estava com muito medo”, acrescentou ela.

Quando os dois felinos chegaram ao abrigo estavam em péssimas condições, precisando até remover todos os dentes da boca. Mas, uma coisa era certa, os dois sempre estavam juntos e jamais poderiam ser separados.

Após a mulher ver seus rostinhos tristes e assustados, soube imediatamente que os levaria para casa juntos. Então, o casal preencheu a papelada e eles se tornaram parte da família. Logo, nas primeiras semanas, Toby e seu irmão peludo se esconderam em uma parte da casa. 

Aos poucos Quinton foi se soltando e explorando seu novo lar, já Toby como seu fiel escudeiro o seguia para todo lado.

“Tínhamos que alimentá-los debaixo da cama e eles não saíam a menos que estivéssemos fora de casa ou dormindo. Com o tempo, eles começaram a confiar em nós, mas foi demorado”, explicou a tutora.

Quando Toby começou a se sentir seguro, buscava o carinho de seus donos. Alguns dias, ele ia até a cozinha enquanto Georgina estava cozinhando e esperava-a.

“Ele é tão brincalhão e cheio de vida. Ver a diferença com a criança triste e assustada que adotamos é simplesmente incrível”, pontua.
“Quinton é um grande irmão mais velho e ele cuida de Toby, limpando-o quando ele se machuca e acordando papai para o nosso café da manhã. Eles esperam na janela a gente chegar em casa e correm para a porta quando nos veem”, complementa Georgina.

Infelizmente, Quinton veio a falecer há dois anos, mas sua família o guarda na memória com todos os bons momentos que ele proporcionou. Toby segue precisando de cuidados especiais por conta de sua pele e para mantê-lo saudável.

“Tentamos fazer isso cortando as unhas dele, mantendo a casa limpa e tentando evitar arranhões. Nós nos sentimos muito afortunados que a condição de Toby parece ser bastante leve”, finalizou ela.

Tanto Georgina como seu noivo Christopher esperam que a história de Toby aumente a conscientização das pessoas sobre sua rara doença e que isso não seja motivo para não adotarem animais com necessidades especiais.

Assista também:

A história da pit bull voadora, do cão ladrão de churrasco e mais no Jornalzinho Amo Meu Pet:

Uma jornalista quase formada de 21 anos, completamente apaixonada por futebol e animais. É daquelas pessoas que não podem ver um cachorro ou gato na rua que já quer fazer carinho... Do tipo curiosa, gosta de contar boas histórias e aquecer o coração de seus leitores. Um pouco indecisa para os títulos das matérias, confesso, mas dedicada ao ponto de procurar sempre escolher as melhores palavras. Prazer, sou Letícia Michele Schneider, atualmente moradora de Passo Fundo (RS), tenho o sonho de deixar o mundo um pouquinho melhor e quem sabe um dia estar à beira do gramado entrevistando os jogadores da dupla Grenal.