Brasil é o 2º maior consumidor de produtos pets do mundo

Em média, quanto você costuma gastar com seu animal de estimação por ano? A analista Leticia Drummond e seu marido gastam cerca de 20% a 25% da renda anual com os dez cachorros que mantêm em casa, na zona rural de Brumadinho (MG).

Parece muito, mas esse casal é apenas um entre tantos outros apaixonados por animais que gastam consideráveis quantias de dinheiro para trazer qualidade de vida aos seus pets. De fato, o Brasil é o segundo maior mercado de produtos para animais domésticos do mundo, perdendo apenas para os Estados Unidos.

Segundo o Instituto Pet Brasil (IPB), o varejo pet nacional movimentou em 2018 cerca de R$ 34,4 bilhões, alta de 4,6% em relação ao ano anterior. O setor representa 0,36% do PIB brasileiro (Produto Interno Bruto), fatia grande o suficiente para superar os segmentos de utilidades domésticas e de automação industrial.

Vacinas, compra de ração, remédios, consultas ao veterinário e até mesmo eventuais cirurgias são alguns dos gastos que Letícia e o marido precisam arcar ao longo do ano, o que pesa nas despesas. “Algumas coisas chegam a ser mais caras que as dos seres humanos. No caso de banho e tosa, eu só levo um dos cachorros, o que tem um pelo que embola muito, na pet shop, nos demais eu mesmo dou banho para economizar", diz.

A analista conta que até oito anos atrás, tinha apenas 3 cachorros. O número mais do que triplicou conforme o passar dos anos. “Hoje, eles são todos resgatados", observa.

Letícia relata que os gastos que mais subiram neste ano foi o de banho e tosa, "por volta de 20% a 30%. A medicação ficou 10% mais cara. A ração de 20 quilos passou de R$ 120, R$ 125 para R$ 145", calcula.

Na capital mineira, um levantamento feito pelo site Mercado Mineiro analisou o preço cobrado por diversos serviços em pet shops e clínicas. A alta chega a 8,33%, na comparação de junho de 2019 frente igual o primeiro mês do ano passado.

O aumento de 8,33% verificado pelo site Mercado Mineiro é referente ao preço da vacina antirrábica, que custava em média R$ 43,56 em junho do ano passado, e agora subiu para R$ 47,19 em junho deste ano.

O site também comparou o preço entre os estabelecimentos e constatou que o banho de um cão de 10 a 15 quilos com pelo longo pode custar de R$ 29 a R$ 90, o que representa uma variação de 210%.

Disputa entre sete lojas em 500 metros

Os donos de pet shops vêm evitando repassar o aumento dos custos aos clientes por conta do aumento da concorrência e o receio de perder clientes a longo prazo. “O banho para animais de até 10 quilos foi mantido por R$ 25 durante dois anos. Hoje, o valor cobrado é de R$ 30. So que se fosse repassar tudo, o valor era para estar na casa dos R$ 35", diz o dono da pet shop Lar & Cão, Rodrigo Santos.

A concorrência cada vez maior e acirrada tem freado o aumento dos preços. Segundo Rodrigo, nas proximidades do seu estabelecimento, que está no mercado há cinco anos, tem sete pet shops.

“lsso a 500 metros da minha loja. Quando comecei, eram duas concorrentes", conta. A empresa de Santos fica localizada no bairro Floresta, De acordo com ele, os custos, como gastos com água e energia vêm aumentando e impactando de forma negativa no negócio. “Tive que mandar um funcionário embora", diz.

Situação parecida acontece na pet shop Bichos e Caprichos, no bairro Buritis, na região Oeste da capital. "Quando acontece o repasse é pouco, minimo, não é integral. Não dá para cobrir todos os aumentos nos custos", diz o proprietário do estabelecimento, Bruno Soares Rodrigues.

Ele conta que em 2018 deixou de fazer os repasses. “Se eu fosse fazer repasse do banho, o aumento era para ser de 15%, só reajustei em 5%, o que deu R$ 2 a mais. Só que eu tenho que manter 1neu preço compatível com os concorrentes", observa.

O empresário conta que somente o aluguel leva 15% do seu faturamento, “E o meu maior custo, E ainda tem o aumento de água e energia", reclama. Em dez anos de atividade, Rodrigues viu a concorrência aumentar. "Antigamente, eram umas seis pets shops na região. Agora, são mais de dez".

Fonte: O Tempo

Compartilhe o post com seus amigos!

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários