Idosa exige que, após seu falecimento, sua cadela seja enterrada com ela

Uma idosa, antes de falecer, colocou em seu testamento que sua cachorra, Emma, deveria ser enterrada com ela. A declaração atestava explicitamente que a cachorrinha da raça Shih Tzu deveria ser sacrificada, cremada e enterrada com sua dona.

Tal pedido é ilegal e proibido em boa parte dos estados americanos, mas não na Virgínia, no meio-leste estadunidense.

No dia 8 de março, Emma foi levada ao abrigo Chesterfiled Animal Shelter, onde permaneceu por duas semanas. Nesse tempo, os funcionários da entidade tiveram intensas discussões com o advogado que estava executando o testamento da falecida, tentando convencê-lo a não sacrificar o cão.

“Nós sugerimos que eles poderiam registrar a cachorra em diversas ocasiões, porque era uma cadela que poderíamos facialmente encontrar uma nova casa”, disse Carrie Jones, gerente do abrigo ao canal WWBT, do grupo NBC.

No final do mês de março, Emma foi retirada do abrigo e levada a um veterinário local. Lá, fora sacrificada e seus restos mortais levados à um crematório de animais de estimação em Richmond.

Suas cinzas foram entregues ao representante do testamento e colocadas no túmulo da dona, de acordo com sua vontade. A situação deixou os funcionários do abrigo desolados.

Em Richmond, no estado da Virgínia, com raras exceções, enterrar restos de animais com restos de seres humanos vai contra a lei. No entanto, segundo o código de Cemitérios da Virgínia, é “proibido animais de estimação serem enterrados com seres humanos em cemitérios comerciais”, mas há exceções para cemitérios de propriedade privada ou familiar.

Kenny Lucas, veterinário da clínica Shady Grove Animal, se recusou a fazer a prática de eutanásia em um animal saudável.

“Sempre que nos deparamos com uma situação de eutanásia, é uma situação muito emocional, e que precisamos fazer de forma ética. É algo que levamos para casa também. Isso pesa para nós como profissionais”, disse ele ao WWTB.

De acordo com a lei norte-americana, animais de estimação são propriedade pessoal, portanto, é legal a decisão da eutanásia. Ainda assim, muitos veterinários têm problemas éticos com a questão e não fazem o procedimento se o animal está em condições de viver.

Fonte: >Extra

Compartilhe o post com seus amigos!

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários