Cachorro conhecido por ser o mais inteligente do mundo morre aos 15 anos

Fonte: Canal do Pet

Internacionalmente reconhecido como o “cachorro mais inteligente do planeta”, Chaser era capaz de identificar o nome de mais de mil objetos diferentes. Infelizmente, nesta segunda-feira (29), ele faleceu em decorrência da velhice - havia completado 15 anos em maio deste ano.

Chaser tinha uma memória excelente, e era capaz de identificar o nome de mais de mil objetos diferentes. Seu tutor, o professor de psicologia John W. Pilley, falecido no ano passado, ganhou Chaser de presente da esposa em 2004, época em que conduzia um experimento em cachorros, cujo objetivo era descobrir se eles eram capazes de memorizar nomes de objetos.

O cãozinho cresceu e acabou se tornando a própria viva de que sim, isso é possível. Não há cachorro no mundo com uma memória tão aguçada quanto a do falecido animal.

Enquanto Chaser crescia, John lhe ensinava nomes com a seguinte metodologia: mostrava-lhe o objeto, dizia o nome dele 40 vezes e depois o escondia em algum lugar da casa, pedindo para que o cachorro o encontrasse.

Com cinco horas de treino por dia, o Border Collie aprendeu o nome de mais de mil objetos diferentes.

Segundo o jornal norte-americano The New York Times, Chaser faleceu de causas naturais, e muito rapidamente. Seu dono, John, morreu no ano passado, aos 89 anos, e desde então o cão estava morando com a viúva Sally e a filha do casal.

Compartilhe o post com seus amigos!

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários