Empreendedora confecciona e vende roupas usando os pelos do seu cachorro

Fonte: Revista Pequenas Empresas, Grandes Negócios

Dezenas de empresas e startups mundo afora têm oferecido serviços que homenageiam os animais de estimação, desde patinhas de vidro feitas a partir das cinzas de um cão ou gato falecido, até máscaras que imitam ultrarrealisticamente a aparência do animal de estimação falecido.

Uma nova (e inusitada) ideia agora surge no mercado a partir da mente da empreendedora norte-americana Jeannie Sanke: suéteres produzidos com o pelos de seus cães.

As vestimentas são confeccionadas utilizando os fios naturalmente soltos dos seus animais de estimação, que vão caindo pela casa ou grudando dos móveis e estofados.

O negócio de Jeannie foi batizado de "Knit Your Dog" ("Tricote seu cachorro", em tradução livre), e aceita encomendas por meio de seu site.

Os suéteres também podem ser feitos dos pelos dos cães e gatos dos clientes interessados: basta enviá-los via correios até o endereço da empreendedora, que mora em Illinois.

Jeanne conta que aprendeu a fiar e tricotar aos cinco anos de idade, e nunca mais esqueceu. Ela limpa e transforma em fios a pelagem do pet. Após, confecciona a roupa em um longo e terapêutico processo.

A norte-americana conta que cada etapa do processo pode demorar de semanas a meses, uma vez que tudo é feito de maneira completamente artesanal. Assim sendo, seus clientes precisam ter paciência.

Os principais clientes de Jeanne são donos de pet que estão idosos, com doenças em estágio terminal ou que já se foram. "As pessoas querem um suéter feito do pelo de seu cachorro não porque gostam do material, mas porque desejam ter uma lembrança de alguém que amaram muito", explica ela.

Atualmente, Sanke afirma estar com a “agenda lotada” de encomendas, e que por isso está recusando novos pedidos - pelo menos nos próximos seis meses.

Confira mais imagens dos produtos produzidos pela Knit Your Dog:

Compartilhe o post com seus amigos!

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários