Em foto tocante, bombeiro dá água a filhote de tatu sedento em área incendiada no MT

Atingidas por um forte incêndio no início do mês, as matas de uma fazenda entre os municípios de Nova Mutum e São José do Rio Claro, no Mato Grosso, tiveram boa parte da sua vegetação queimada.

Enquanto fazia o trabalho de reconhecimento e perícia do local, um bombeiro foi ‘flagrado’ dando água a um filhote de tatu que encontrou no caminho. Vários filhotes foram encontrados vagando entre as cinzas.

Quem aparece na foto é o sargento Pedro Ribas Alves. No momento do registro, ele pega o tatuzinho e o mantém em pé, para que este possa tomar água.

“Primeiro oferecemos água de uma mochila de hidratação e ele não tomou. Demos um banho nele e depois usamos um copo. Ele aceitou e começou a tomar água”, contou o capitão Eraldo Moura.

De acordo com os militares, os tatus foram um dos poucos animais vistos em uma área de 766 hectares devastada por um incêndio na semana passada.

“Essa área foi devastada. Um fio de cabo de alta-tensão caiu no pasto e pegou fogo em toda a área. Agora, o gado está sem pasto e é alimentado por ração”, explicou o capitão.

Os bombeiros ficaram muito sensibilizados com a situação dos bichinhos, conta Eraldo, e a ajuda oferecida foi genuína, nada mais. “Não fizemos isso para aparecer, foi uma questão de humanidade”, resumiu o militar.

Após hidratarem o filhote, se ‘despediram’, e enquanto iam embora, viram que outros filhotes de tatu também estavam perto do local onde os primeiros apareceram. “A forma do tatu se esconder é se enfiar na terra. Dependendo do incêndio, ele acaba morrendo. Encontramos pássaros queimados e outros animais que não conseguiram fugir”, lembrou o capitão.

A equipe fará um laudo que ajudará a identificar as causas do incêndio onde os tatus foram vistos.

Fonte: SNB

Compartilhe o post com seus amigos!

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários