Cão com câncer que vive em universidade ganha tratamento custeado com venda de doces por estudantes

Desde que ‘se mudou’ para o campus da Universidade Federal do Amapá (Unifap), em Macapá (AP), o cãozinho vira-lata Cookie foi acolhido pelos estudantes do curso de enfermagem, que lhe alimentam e lhe dão muito carinho.

Infelizmente, há cerca de três meses, Cookie foi diagnosticado com um câncer. Ele passou a receber tratamento custeado com a venda de doces vendidos pelos próprios estudantes.

Da mesma maneira que os seres humanos, para suportar as rodadas de quimioterapia, o cachorro precisa ser apoiado e alegrado a todo momento. Aqui, não falta amor e carinho.

Com efeito, a doença não abalou Cookie, que é uma fonte de inspiração para os próprios estudantes, que acreditam em uma recuperação rápida.

O tratamento pede uma medicação intravenosa vendida em três frascos diferentes: cada frasco custa cerca de R$ 90.

Um deles foi comprado pela universitária Talita Angelim, de 25 anos, graças à venda de brownies no campus. Desde que viu Cookie pela primeira vez, ela diz ter se apaixonado por ele.

"Ele é amigo de todo mundo aqui no bloco. Ele brincava comigo e com o meu amigo e rasgou a minha calça com uma dentada, daí resolvi adotar ele. Sempre brincávamos, trazíamos alimento e ele se apegou comigo", relatou Talita, que cursa o 2º semestre.

"Se vou na biblioteca ele vai comigo, é nosso cão de estimação. A partir de julho ele ficou doente e para resolver a situação comecei a vender brownie e conseguimos um frasco da medicação", completou Talita.

Talita conta que o cãozinho às vezes ‘foge’ do tratamento. "Sabe como é vida livre, quem é solto não quer ser preso nunca mais. A gente já tentou prender, com comida, quando fui dar banho ele correu. Mas vamos terminar", finaliza.

Compartilhe o post com seus amigos!

Fonte: G1

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários