Dono de Lulu da Pomerânia fica inconsolável após seu cão perder a vida em creche para pets

A cadelinha Lani frequentava o local desde novembro do ano passado e o acontecimento trágico pegou os donos de surpresa.

Por
em Notícias

Quem tem animal de estimação está sempre preocupado com o seu bem-estar, e para não deixá-los sozinhos enquanto trabalham, muitos donos buscam alternativas que possam mantê-los entretidos, como creches e hotéis.

O que nenhum dono imagina ou espera, é que o seu cachorrinho estará correndo risco de vida enquanto está sob o cuidado desses serviços. Infelizmente, foi o que aconteceu com Lewis Anderson, que perdeu a cadelinha Lani, da raça Lulu da Pomerânia, depois dela ter sido atacada por outro cão em uma creche em Edimburgo, Escócia.

No dia 14 de maio, o proprietário do centro, David Muir, informou Leweis que Lani, de apenas 10 meses, havia morrido em um acidente. Ela sofreu perfurações que se revelaram fatais enquanto estava no gramado do centro com outros cães. Seus ferimentos foram tão brutais que ela não pôde ser salva. O acidente deixou Lewis devastado.

“Disseram-nos que eles restringiriam sua interação com outros cães e ela só estaria perto deles quando supervisionada.”

Lewis contatou os veterinários usados ​​pela creche que não puderam lhe dar um relatório por escrito dos ferimentos de Lani como resultado da confidencialidade do cliente. Ele disse:

“Os veterinários disseram-me verbalmente que ela teve várias perfurações e nervos cortados e que provavelmente morreu de uma parada cardíaca.”

Lewis relembrou, ainda, a mudança de comportamento de Lani nos dias que antecederam sua morte.

“Começamos a notar mudanças de comportamento em Lani quando ela começou a frequentar o lugar. Estávamos começando a ficar nervosos, ela fugia da porta, se escondia e tremia.”

Já os responsáveis pela creche alegaram que levaram Lani imediatamente ao veterinário, mas que, infelizmente, nada pôde ser feito. Lani frequentava a creche desde novembro de 2019, e por conta da pandemia, os donos decidiram manter as suas idas à instituição, na tentativa de mantê-la entretida e ativa.

Que tristeza, né? Tomara que os donos consigam superar essa perda.

Jovem (mais na idade do que na postura), curiosa (quem, o quê, onde, como, quando e por quê), analítica (sempre em busca de respostas), e estudante de jornalismo. Com sede de conhecimento, tem calafrios de rotinas monótonas e repetitivas. É ainda, inconformada com mais do mesmo, buscando dessa forma, descobrir o seu lugar no mundo. Prazer, sou Ana Caroline Haubert, gaúcha lá de Passo Fundo. Sugestões, críticas, pautas e opiniões são bem-vindas no meu email: caroline_hauber@hotmail.com