Logomarca Amo meu PET

Famílias que perderam tudo em enchente no Acre fazem questão de salvar seus cães

Por
em Notícias

Em estado de emergência devido à enchente causada pelo rio nos últimos dias, os moradores da cidade de Tarauacá, no interior do Acre, tiveram grandes prejuízos, muitos, inclusive, perderam tudo o que tinham. Mesmo assim, teve aqueles que não deixaram seus animais para trás.

A enchente, considerada histórica pelos moradores, colocou a população em uma situação preocupante e degradante, porém, foi muito pior para os animais. Felizmente, grande parte deles não foram esquecidos pelos donos, pelo contrário, foram salvos com prioridade.

Um portal local, o Portal Tarauacá, compartilhou no último dia 20 uma foto em que alguns moradores aparecem sendo resgatados por um barco, e mesmo sem portar pertences importantes, eles levam consigo os seus animais de estimação.

“Em meio a destruição causada pela enchente histórica do rios Tarauacá e Muru, em Tarauacá, familiares salvam seus cachorros. Enquanto muitos os deixam abandonados. Parabéns à família que navega e leva seus cães. Quem cuida dos animais, também cuida dos humanos”, descreveu o portal na legenda da publicação.

Construção de abrigos

Além de Tarauacá, outros municípios do Acre foram atingidos pelos prejuízos das enchentes, entre eles, a cidade de Cruzeiro do Sul. Uma das medidas tomadas pelas autoridades da cidade foi a construção de mais de 10 abrigos para os animais das famílias afetadas.

Por meio do Centro de Zoonose e Secretaria de Obras, a prefeitura construiu mais de 10 abrigos para abrigar os cães das famílias que ficaram desabrigadas por conta da enchente do Rio Juruá.

“Os coordenadores de cada abrigo estão fazendo a comunicação conosco e estamos indo buscar os animais nos locais, pois eles não podem ficar no mesmo lugar, estamos cuidando deles da melhor forma possível, com atendimento veterinário e comida,” relatou o coordenador do Centro de Zoonose Leonísio Messias ao Portal Tarauacá.

Jovem (mais na idade do que na postura), curiosa (quem, o quê, onde, como, quando e por quê), analítica (sempre em busca de respostas), e estudante de jornalismo. Com sede de conhecimento, tem calafrios de rotinas monótonas e repetitivas. É ainda, inconformada com mais do mesmo, buscando dessa forma, descobrir o seu lugar no mundo. Prazer, sou Ana Caroline Haubert, gaúcha lá de Passo Fundo. Sugestões, críticas, pautas e opiniões são bem-vindas no meu email: caroline_hauber@hotmail.com