Gato que não consegue socializar em abrigo porque outros felinos o 'irritam' procura novo lar

Confira dicas de como facilitar o convívio entre felinos na hora de adotar um novo gato

Por
em Comportamento

Um gatinho chamado Karl começou a passar grandes dificuldades depois de ter sido levado para um abrigo de animais na cidade de Dellbrück, na Alemanha. Isso porque o felino não se adaptou muito bem aos demais companheiros do abrigo.

Karl foi levado ao serviço de resgate após ter atacado seu dono, o qual viveu junto por anos.

Lá, os funcionários destacaram que o felino só mostrou seu lado bom e amigável.

“Ele não levantou a pata nem uma vez”, disseram os funcionários.

Estes, então, presumiram que algo havia acontecido para que Karl tivesse agido daquele jeito.

No entanto, assim que o felino foi levado para ficar junto com os demais gatos disponíveis para adoção, a situação começou a piorar.

“Ele está muito descontente conosco porque os outros gatos o incomodam. Mas ele também não fica bravo aqui, ele se retrai”, relatam os tratadores.

Na postagem, a instituição também destacou que Karl precisa de uma casa com livre acesso.

Além disso, pedem se alguma pessoa com experiência em gatos tem lugar para o felino ficar enquanto não é adotado em definitivo.

Publicada na conta de @tierheim_dellbrueck no Instagram, em 21 de dezembro, a postagem recebeu 1.670 curtidas e 35 comentários.

“Para ser honesto não entendo donos assim. Nosso menino às vezes ataca na arrogância, por tédio ou na brincadeira. Nós não achamos que seja ótimo, mas nós nunca desistiremos dele”, observa Daniela.
“Boa sorte, Karl… Desejo-te um bom sofá com uma ótima pessoa”, comentou Conny.

Convivência entre gatos

Conforme esclarece o site Patinhas Carentes, os gatos são muito sensíveis à mudanças e um novo gato na família acaba sendo uma mudança radical, em alguns casos bem estressante.

Dessa forma, uma boa adaptação vai ajudar a diminuir esse estresse e a chance dos dois gatos se darem bem aumenta bastante.

O primeiro passo é nunca colocar os dois frente a frente como se estivesse apresentando duas pessoas. Para eles, essa apresentação é muito traumática e ambos vão se assustar bastante.

Posteriormente, você precisa separar um cômodo/espaço para o seu novo gatinho. Nele coloque tudo que vai precisar: pote de comida, água, caixa de areia, arranhador, caminha e brinquedos.

Deixe que os dois tenham seu tempo, inicialmente precisam se conhecer pelo cheiro. Aos poucos o gato residente vai perceber que há um novo membro na família.

Pode deixá-lo à vontade para cheirar a porta, mas não o deixe entrar ou fazer contato visual. Se este ficar estressado basta oferecer petiscos e brincar com ele para acalmá-lo.

É importante também acostumar o novo gatinho com a sua presença, então brinque com ele no cômodo ou se ele tiver medo apenas fique sentado perto dele para lhe fazer companhia.

Não se preocupe com o cheiro que ficará em sua mão, já que esta é uma ótima forma de fazer com que o gato residente acostume-se com seu novo irmão.

Depois de alguns dias é hora do novo integrante conhecer o resto da casa. Nesse momento, o gato residente precisa ficar preso em algum cômodo para não atrapalhar o passeio do filhote ou o gato adulto, se for o caso.

Quando ambos estiverem calmos, o tutor pode partir para o contato visual. Abra uma pequena frestinha da porta para que possam se enxergar, mas não se tocar.

Depois disso feche a porta e dê comida para ambos em seus potinhos.

Em caso de alguma reação positiva, o tutor pode colocar o novo integrante em uma caixa de transporte e levá-lo até um cômodo da casa.

Essa técnica permite que os gatinhos possam se conhecer visualmente sem a possibilidade de um machucar o outro.

Quando acreditar que chegou a hora, basta abrir a porta do cômodo para que o novo gato saia, porém fique de olho na reação dos dois.

Caso a interação não seja boa, siga por mais alguns dias os mesmos passos para que possam se acostumar um com o outro.

Redatora.

Últimas notícias