Mulher abriga 97 cães em casa para protegê-los do Furacão Dorian nas Bahamas

Uma mulher resgatou 97 cachorros em situação de rua, levando-os para sua casa, em meio ao Furacão Dorian, poderoso ciclone tropical ativo que atualmente ameaça as Bahamas e a região sudeste dos Estados Unidos.

Nascida e criada em Nassau, capital das Bahamas, Chella Phillips, postou algumas fotos dos cãezinhos em seu quarto e pediu aos internautas para fazerem o mesmo que ela, para que os animais não sofressem durante a passagem do Furacão Dorian, que atingiu seu país na última segunda-feira (2).

“Cada um dos meus bebês merece ter um lar carinhoso, então, por favor, eu imploro para que os resgatantes os ajudem”, escreveu.

Chella conta que só no seu quarto, havia 79 cachorros. “Tem sido insano desde ontem [segunda] à noite. Cocô e xixi sem parar, mas ao menos eles respeitam minha cama e ninguém nem ousa pular”, contou.

Interessante notar que não houve qualquer briga ou contenda entre os cães. Chella também garantiu que eles não se importaram com a chegada de mais cães no espaço deles porque não são “como os humanos egoístas que maltratam e abusam eles ou simplesmente passam por eles e os deixam morrer na rua”. Chella é ativista e defensora dos direitos dos animais na ilha, sendo participante da ONG “Voiceless Dogs of Nassau” (Cachorros sem Voz de Nassau).

Em entrevista à CNN, um dos voluntários da entidade disse que Chella funciona como um 'grupo de uma mulher só', "que dá assistência a mais de 200 cães sem casa todos os anos, com pouco auxílio", e que, durante 15 anos, “ela vem encontrando lugar para os animais nos Estados Unidos”.

Furacão Dorian

É o mais poderoso ciclone tropical ativo dos últimos 12 anos. Ele se desenvolveu a partir de uma onda tropical em 24 de agosto no Atlântico central.

Converteu-se em furacão no dia 28 de agosto, enquanto passava pelas Pequenas Antilhas e ganhava força. Três dias depois, tornou-se um furação de categoria 4. No dia seguinte, chegou à categoria máxima, com ventos de até 298 km/h e uma pressão central mínima de 910 milibares (26,87 inHg) enquanto tocava terra em Elbow Cay, Bahamas, com rajadas de 354 km/h.

Assim, o furacão alcançou a histórica marca de maior rajada já registrada em uma superfície do Hemisfério Ocidental.

Na segunda-feira (2), o primeiro-ministro das Bahamas, Hubert Minnis, informou que ao menos cinco pessoas morreram nas Ilhas Ábaco por causa da passagem do Furacão Dorian.

A expectativa é de que ele ameace nesta semana algumas regiões dos EUA, nos estados da Flórida, das Carolinas do Norte e do Sul e da Geórgia.

Fonte: SNB

Compartilhe o post com seus amigos!

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários