'CãoTerapia' é zero defeitos: estudantes do ensino médio combatem nervosismo com ajuda de pets

Uma escola de ensino médio dos EUA encontrou a solução perfeita para combater o estresse e a ansiedade dos seus estudantes: adotar cães treinados (e super fofos!) para combater a ansiedade deles.

Os cães são trazidos do ‘The Seeing Eye’, o mais antigo centro de treinamento de cães-guia dos Estados Unidos, responsável por treinar centenas de cães todos os anos.

Devidamente treinados e preparados para seus futuros papéis como cães-guia, os jovens pastores alemães, golden retrievers e labradores se formam na academia canina após um a dois anos de treinamento.

De lá, muitos seguem para a Escola Rutgers, em Nova Jersey, uma das duas escolas do país a unirem os cães-guia aos estudantes secundaristas.

O Clube de Criação de Filhotes e Cães-Guia funciona dentro da Escola Rutgers e normalmente conta com 25 estudantes “cuidadores”, que assumem a responsabilidade de ensinar e incentivar o filhote enquanto ele passa por seus estágios finais de treinamento.

Treinar um filhote de cachorro pode ser difícil para qualquer dono de animal de estimação, mais ainda para um estudante que já está tentando equilibrar a sua vida com os estudos – por isso, o clube também recruta dezenas de “assistentes”, como o jovem Ethan Saul.

Aluno do primeiro ano do ensino médio e companheiro de quarto de um dos criadores do clube, o adolescente é um dos muitos assistentes que se deleitam em cuidar dos filhotes quando necessário.

“Eu costumo cuidar dos cães quando não há cuidadores disponíveis, o que geralmente ocorre à tarde, quando muitos estão estudando ou trabalhando, ou nos fins de semana”, disse Saul.

O jovem afirma que estar na companhia dos cães é a sua “coisa favorita” no colégio. “Sendo um estudante, gasto muito do meu tempo estudando para algumas matérias que gosto, e para outras que acho extremamente chato e sem graça,” diz Saul. “Logo, poder passar um tempo com esses cães é muito bom, me faz bem e alivia muito o estresse, não só para mim, mas para todos os alunos.”

Enquanto os alunos se dedicam a socializar os filhotes e dar-lhes muito carinho, eles expõem os animais a aspectos importantes para o seu treinamento: cheiros, visões, ambientes e experiências completamente diferentes.

“Desde o primeiro momento que os recebemos, damos muito amor a eles, ao passo que trabalhamos com conceitos de obediência e comandos básicos – mas o aspecto mais importante do treinamento que fazemos é o treinamento de exposição”, disse a presidente do clube, Emily Cruz.

“Nós não sabemos que tipo de pessoa eles guiarão no futuro ou em que tipo de ambiente. Eles podem guiar um homem aposentado que mora na Flórida ou talvez uma jovem cega que vive em uma grande cidade. As possibilidades são infinitas!”, afirma.

Ela completa: “Portanto, nos asseguramos de expô-los a diferentes pessoas, lugares, locais, sons, ambientes e experiências para garantir que eles sejam os cães-guia mais seguros e confiáveis em toda e qualquer situação”.

Compartilhe o post com seus amigos!

Fonte: Good News Network

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários