Família de ursos cruelmente explorada por 21 anos é liberta e transferida para santuário

Se coloque no lugar de um animal mantido em cativeiro: você estará confinado em um espaço minúsculo, usado tanto para se alimentar, quanto para fazer suas necessidades fisiológicas. Faça chuva, faça sol, dia e noite, todos os dias, você ficará naquele mesmo espaço, saindo raríssimas vezes para fazer algo controlado por outra pessoa.

Seria uma vida horrível, né? Imagine viver nestas condições por 21 anos!

Essa foi a triste realidade de cinco ursos que eram mantidos em cativeiro em uma ‘fazenda biliar’ no Vietnã, nação do sudeste asiático.

Foto: Reprodução / Animals Asia
Foto: Reprodução / Animals Asia

Presos em minúsculas gaiolas enferrujadas e sujeitos a todo tipo de agressão e maus-tratos, eles foram encontrados por um grupo de ativistas à beira da loucura, se contorcendo contra as grades e machucando uns aos outros a todo momento.

Segundo o The Dodo, em agosto de 2018, graças ao trabalho conjunto das ONGs Animals Asia e Education for Nature - Vietnam (ENT), os ursos foram resgatados de uma propriedade rural irregular e criminosa que operava na província de Tien Giang, no Vietnã.

Foto: Reprodução / Animals Asia
Foto: Reprodução / Animals Asia

Na ‘fazenda de bílis’, os ursos passavam por coisas impensáveis - os pecuaristas inseriam tubos no abdômen deles, criando uma ferida aberta permanente que lhes permitia extrair a bílis, isto é, um suco digestivo produzido no fígado e armazenado na vesícula biliar.

Em seguida, vendiam a substância, que é bastante valorizada na medicina tradicional chinesa. Acredita-se que a bílis do urso cure doenças como acne, resfriados, dores de garganta, hemorróidas, conjuntivite e até câncer, embora isso não tenha absolutamente nenhum respaldo cientificamente comprovado.

Foto: Reprodução / Animals Asia
Foto: Reprodução / Animals Asia

A extração desse fluido é extremamente dolorosa e pode gerar problemas físicos e psicológicos de longo prazo para os ursos. Quando foram encontrados vivendo nestas condições, os mamíferos estavam muito estressados e abatidos com tamanha exploração.

"Por 21 anos, tudo o que eles podiam fazer era comer e dormir", disse Tuan Bendixsen, diretor da ONG Animals Asia. “Eles viviam para ser explorados”.

Foto: Reprodução / Animals Asia
Foto: Reprodução / Animals Asia

A atividade de extração da bílis é ilegal no Vietnã há quase 30 anos. Por isso mesmo, todos os responsáveis pela propriedade serão processados por seus atos.

Foto: Reprodução / Animals Asia
Foto: Reprodução / Animals Asia

Os cinco ursos da fazenda foram transferidos para um santuário de animais e receberam os nomes de Lebon, Kim, Mai, Star e Mekong.

Todos foram examinados por um veterinário e receberam alta. Agora, estão sendo mantidos em um espaço muito maior - de 3 mil metros quadrados, 300 vezes maior do que o cativeiro - para socializarem e viverem com conforto, onde há comida em abundância, especialmente frutas, que eles adoram!

Foto: Reprodução / Animals Asia
Foto: Reprodução / Animals Asia

Após 21 anos de sofrimento, eles finalmente terão uma oportunidade para descansar. "Eles poderão sentir a grama sob os pés e o sol nas costas, provavelmente pela primeira vez em suas vidas", afirmou Tuan.

Foto: Reprodução / Animals Asia
Foto: Reprodução / Animals Asia

"Eles nunca mais sofrerão atrás das grades novamente", concluiu. Confira o vídeo abaixo:

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários