Vendedor ambulante de chicletes trabalha incansavelmente para garantir que seu cão não passe fome

Por
em Notícias
A rotina deste senhor não é nada fácil, mas o seu cãozinho é o principal objetivo para que ele siga batalhando.

Ao contrário das pessoas que colocam desculpas para não ajudar um cão, seja em questões financeiras, territoriais ou o tempo, há quem forneça tudo o que tem para garantir que o seu animalzinho terá o melhor para viver. Não importa o quão pouco isso possa representar financeiramente, existem pessoas que não medem esforços para ver os seus animais bem, como é o caso desse homem.

Todos os dias, faça chuva, sol, calor ou frio, esse vendedor de chicletes está sempre trabalhando pelas ruas da Cidade do México, no México. O principal objetivo do seu trabalho, que não rende grandes valores, é garantir que o seu cachorro se mantenha alimentado e seguro.

A história desse vendedor se tornou conhecida depois que um homem compartilhou a sua rotina nas redes sociais. “Este senhor vende chicletes por 1 peso (R$ 0,25) a cada manhã, saindo do metrô Zócalo, no lado direito do Palácio, na rua Pino Suarez, na Cidade do México. Você o encontra das 8 às 11 da manhã… O motivo do meu post é que, diariamente, chova, faça frio ou calor; ele sempre leva o seu melhor amigo e companheiro consigo. Todos os dias com o pouco que vende, compra-lhe o sua ração ou os seus croquetes soltos. Convido você que anda pelo metro que o apoie comprando umas pastilhas ou dando-lhe um pouco de comidinha para o seu cãozinho, acredite que seria uma preocupação a menos para ele", diz a publicação.

O baixo valor arrecadado com o seu trabalho é usado quase exclusivamente para a compra de alimentos diários para seu animal de estimação. Cachorro esse que, além de ser muito bem tratado, acompanha o dono diariamente no trabalho, mas claro que ele fica com a parte confortável da tarefa: deitado na mochila do dono e enrolado em uma coberta. É aquela história, quem menos tem, é quem mais doa…

Jovem (mais na idade do que na postura), curiosa (quem, o quê, onde, como, quando e por quê), analítica (sempre em busca de respostas), e estudante de jornalismo. Com sede de conhecimento, tem calafrios de rotinas monótonas e repetitivas. É ainda, inconformada com mais do mesmo, buscando dessa forma, descobrir o seu lugar no mundo. Prazer, sou Ana Caroline Haubert, gaúcha lá de Passo Fundo. Sugestões, críticas, pautas e opiniões são bem-vindas no meu email: caroline_hauber@hotmail.com