Espécie rara de cachorro "cantor" da Nova Guiné é visto novamente na natureza após 50 anos

A espécie extremamente rara conta com um pequeno número de animais em centros de preservação e zoológicos, a descoberta da nova matilha, no entanto, pode mudar essa realidade.

Todas as espécies são especiais, mas localizar uma raça extremamente rara, que não era vista há 50 anos vagando na natureza, é excepcional. E foi exatamente o que aconteceu recentemente, após a divulgação dos resultados de uma pesquisa realizada com o DNA destes cães encontrados em uma área remota na Nova Guiné.

Pesquisadores da região encontraram uma matilha da raça do cão cantor da Nova Guiné, conhecido por emitir sons harmônicos com seus latidos e uivos agudos comparáveis ​​aos de uma baleia jubarte. Atualmente, há cerca de 200 animais da espécie vivendo em centros de conservação ou zoológicos.
Foto: Facebook / New Guinea Highland Wild Dog Foundation

Eles já haviam sido identificados pelos cientistas na Indonésia, há alguns anos e, em outra expedição, eles retornaram ao local do estudo em 2018 para coletar amostras de sangue de três caninos - com dados demográficos, fisiológicos e comportamentais - para confirmar se esses cães selvagens estavam realmente relacionados aos cães cantores.

Foto: Facebook / New Guinea Highland Wild Dog Foundation

Uma pesquisa publicada ontem (31) realizada com base na comparação dos DNAs, mostrou que há sim semelhança entre os seus genes e que eles estão mais ligados entre si do que qualquer outro canino.

Foto: Facebook / New Guinea Highland Wild Dog Foundation

A cientista autora do artigo, Elaine Ostrander, explica o motivo dos animais encontrados possuírem algumas diferenças físicas e genéticas com os cães cantores mantidos sob preservação. “Os cães sob preservação são super endogâmicos (método de acasalamento entre indivíduos geneticamente semelhantes). [Tudo] começou com oito cães, e eles foram cruzados entre si por gerações - então eles perderam muita diversidade genética”, explica a autora e investigadora do National Institutes of Health, de acordo com a CNN .

Foto: Facebook / New Guinea Highland Wild Dog Foundation

Os oito cães citados pela cientista tratam-se dos cães levados para os Estados Unidos para procriação há anos atrás, de modo a manter a espécie, o que espera-se, possa acontecer também com esses novos animais descobertos. Muito especiais, eles possuem características únicas, que não podem ser encontradas em nenhum outro animal da natureza, como explica Elaine.

Foto: Facebook / New Guinea Highland Wild Dog Foundation

“Cachorros cantores da Nova Guiné são raros, são exóticos. Eles têm essa bela vocalização harmônica que você não encontra em nenhum outro lugar na natureza, então perder isso como espécie não é uma coisa boa. Não queremos ver este (animal) desaparecer”, conclui. Conheça o canto dessa espécie nos vídeos abaixo:

Muito interessante, esperamos que os estudos sobre a espécie avancem e que seja preservada!

Ana Caroline Haubert

Jovem (mais na idade do que na postura), curiosa (quem, o quê, onde, como, quando e por quê), analítica (sempre em busca de respostas), e estudante de jornalismo. Com sede de conhecimento, tem calafrios de rotinas monótonas e repetitivas. É ainda, inconformada com mais do mesmo, buscando dessa forma, descobrir o seu lugar no mundo. Prazer, sou Ana Caroline Haubert, gaúcha lá de Passo Fundo. Sugestões, críticas, pautas e opiniões são bem-vindas no meu email: caroline_hauber@hotmail.com

Comentários