Pit bull largada em lixão sem esperanças de ser salva ganha família super amorosa

O abandono de animais é uma triste realidade e, infelizmente, ainda muito pertinente na sociedade. Os seres mais doces do mundo não merecem esse destino, mas são vítimas de pessoas maldosas que deveriam cuidá-los e amá-los. Era nesse contexto que a cadela Lakita, da raça pit bull, vivia até ser resgatada por um grupo de voluntários.

Lakita, à espera do seu fim, vagava pelas ruas de Louisville, Kentucky, Estados Unidos, com ossos em evidência devido à falta de comida. Ela foi encontrada pelos voluntários deitada em um monte de lixos, em uma situação de partir o coração.

Ao contrário do que muitos pensam, Lakita não poderia ser mais dócil e bastou a voz suave de uma das voluntárias para que ela fosse em direção ao grupo em busca de um pouco de carinho e atenção.

Nessa circunstância, a equipe acreditava que a fome, nem era mais a sua maior necessidade, mas sim um gesto de afeto.

Não foi difícil realizar o resgate, pois a menina era um verdadeiro amor de cachorro. Já no abrigo, a equipe não encontrou nenhum chip de identificação, apenas algumas marcas que revelam um passado sofrido.

A partir daí, o abrigo concentrou a sua atenção e não poupou esforços para reabilitar essa guerreira e deixá-la forte para a sua nova vida.

Depois de recuperada, Lakita foi adotada por uma família.

“Quando ela acabou de chegar, ela estava muito tímida e calma, ela estava tentando encontrar o seu lugar. Agora ela sente-se mais segura, não precisa se preocupar em como vai conseguir a sua próxima refeição”, conta a nova dona.

Dois anos se passaram desde que Lakita foi resgatada e embora ela apenas esperasse para morrer aquele dia no lixão, a sua nova vida estava apenas começando. Casos como o deste cão são o que motiva todo resgatador a continuar a cumprir com amor a sua missão. Até porque, há muitos cães por aí precisando desse mesmo cuidado.

Jovem (mais na idade do que na postura), curiosa (quem, o quê, onde, como, quando e por quê), analítica (sempre em busca de respostas), e estudante de jornalismo. Com sede de conhecimento, tem calafrios de rotinas monótonas e repetitivas. É ainda, inconformada com mais do mesmo, buscando dessa forma, descobrir o seu lugar no mundo. Prazer, sou Ana Caroline Haubert, gaúcha lá de Passo Fundo. Sugestões, críticas, pautas e opiniões são bem-vindas no meu email: caroline_hauber@hotmail.com