Gravura de gato de 2.000 anos é encontrada próxima das Linhas de Nazca, no Peru

Por
em Notícias

Uma imagem impressionante divulgada no portal de notícias The New York Times, que se estende por 40 metros em uma encosta no Peru, mostra uma criatura com orelhas pontudas, olhos em forma de órbita e uma longa cauda listrada. Parece ser um gato a descansar.

Um grupo de arqueólogos ‘tropeçaram’ na gravura desbotada enquanto remodelavam uma seção de um patrimônio da UNESCO conhecido como Linhas de Nazca. A descoberta foi anunciada pelo Ministério da Cultura do Peru na semana passada.

O geoglifo parecido com um gato - que os especialistas dizem que data de 200 a.C. a 100 a.C. - é a última grande descoberta entre as cidades de Nazca e Palpa, em uma planície desértica a cerca de 400 quilômetros a sudeste da capital peruana, Lima.

“A descoberta mostra, mais uma vez, o rico e variado legado cultural deste local”, afirmou o Ministério em nota.

As Linhas de Nazca foram descobertas pela primeira vez por um topógrafo peruano em 1927. Imagens de um colibri, um macaco e uma orca foram desenterradas no local. A UNESCO designou as Linhas e Geóglifos de Nazca e Palpa como Patrimônio Mundial desde 1994.

Acredita-se que a imagem do felino seja mais antiga do que qualquer um dos geoglifos pré-históricos previamente desenterrados em Nazca.

“É bastante surpreendente que ainda estejamos encontrando novos achados, mas também sabemos que há mais para descobrir”, disse Johny Isla, arqueólogo chefe das Linhas de Nazca no Peru.

O que são geoglifos?

É uma obra de arte criada organizando e movendo pedras ou terra dentro de uma paisagem. Já foram encontrados na Linhas de Nazca: animais, pássaros, insetos, plantas e seres imaginários, bem como linhas e figuras geométricas de vários quilômetros de extensão. A maior criatura é um pelicano de 285 metros de comprimento e outros geoglifos famosos incluem uma aranha, macaco e lagarto.

Receba nossas notícias no Whastapp! Entrar no grupo

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.