Mulher avisa à família que seu gato faleceu, bichano reaparece vivo e ela percebe que enterrou um coelho

Por
em Notícias
A mulher foi surpreendida com a chegada do seu gatinho que só estava dando um passeio. Já o coelho, não teve a mesma sorte..

Se despedir do bichinho de estimação é sempre um momento delicado, sentimental e de muita dor. Não foi diferente com uma senhora de 63 anos, de Indiana, EUA.

Segundo o portal de notícias britânico Metro, Cheryl notou a falta do seu gatinho, chamado Kitty, e saiu a sua procura. Para a sua tristeza, ela encontrou o corpo de um bichinho morto na esquina da sua casa. Ao que tudo indicava, o animal havia sido vítima de um atropelamento.

Inconsolável, a mulher correu para casa, buscou um saco plástico e, evitando olhar para o bichinho dilacerado, ela o cobriu e o levou para casa, acreditando ser o seu gatinho.

No quintal, ela cavou um buraco com uma pá que havia pedido emprestada, fez uma cerimônia em que o marido proferiu algumas palavras e enterrou quem até então ela pensou ser Kitty. Acontece que depois de chorar a partida do seu amado gatinho, ela foi surpreendida com a chegada do mesmo, mais vivíssimo do que nunca.

Intrigada sobre quem ela teria enterrado, a mulher recuperou o corpo e levou até o veterinário em busca de alguma identificação, para que um possível dono pudesse ser informado. Para a sua surpresa, a vítima tratava-se, na verdade, de um coelho.

Confusa e feliz ao mesmo tempo, Cheryl pediu à família, que acompanhou a trama de perto, que não contasse a ninguém sobre o ocorrido. Tarde demais.

O seu filho, Eric Schmidt, 35, já havia narrado toda a situação no Twitter, onde rapidamente viralizou entre milhares de internautas. A publicação alcançou mais 790 mil curtidas e mais de 105 mil compartilhamentos.

"Ela colocou em um saco plástico para não ter que olhar para ele. Ela gostaria de ter dado uma olhada melhor antes de fazer isso. O erro é compreensível. Minha mãe me pediu para não contar a ninguém, mas eu já tinha capturado as mensagens e colocado no Twitter. Viralizou e foi tão inesperado", relata Eric.

Isso que eu chamo de reviravolta, hein?

Jovem (mais na idade do que na postura), curiosa (quem, o quê, onde, como, quando e por quê), analítica (sempre em busca de respostas), e estudante de jornalismo. Com sede de conhecimento, tem calafrios de rotinas monótonas e repetitivas. É ainda, inconformada com mais do mesmo, buscando dessa forma, descobrir o seu lugar no mundo. Prazer, sou Ana Caroline Haubert, gaúcha lá de Passo Fundo. Sugestões, críticas, pautas e opiniões são bem-vindas no meu email: caroline_hauber@hotmail.com