Cachorrinho abandonado em estrada corre atrás de carro pedindo uma segunda chance

Por
em Notícias

No início do mês de novembro, a escritora Valia Orfanidou dirigia por uma rodovia na zona rural da Grécia quando avistou um cachorrinho preto e branco correndo à beira da estrada.

Ele saltou para fora de alguns arbustos e começou a correr decididamente atrás do veículo da escritora.

Sensibilizada pela situação do animal, provavelmente abandonado ali para morrer sozinho, Valia decidiu parar o carro e socorrê-lo.

Segundo o Animal Channel, a mulher também atua como voluntária em um abrigo de cães e gatos, então sabia bem como proceder. Após 10 minutos tentando conquistar a confiança do filhote, ele eventualmente topou entrar no carro e seguir viagem com a escritora.

"[...] A Grécia tem 3 a 5 milhões de cães abandonados. As ruas aqui são como um abrigo aberto: quem não ama mais o seu cão, o joga na rua, não há outra opção", lamentou Valia.
"Quando eu parei, ele se escondeu sob as rodas do carro. Cada vez que eu me aproximava, ele se escondia, e quando eu dava alguns passos para trás, ele saía de seu esconderijo e latia para mim como se estivesse tentando dizer alguma coisa", disse ela.

Uma vez dentro do carro, o cachorrinho parecia muito feliz e abanava o rabo sem parar. A mulher foi ao veterinário naquela mesma tarde, onde felizmente constataram que ele estava saudável, apesar da situação em que foi localizado.

O doguinho foi batizado com o nome de ‘Bandit’, e adotado por uma família de Atenas, capital grega. Ele é muito aberto e brincalhão, que deseja apenas dar e receber muito amor.

"Ele é independente e tem uma mente forte. [Mas] é muito leal e vive para aprender", disse Valia.

Confira algumas imagens no vídeo abaixo:

Maus-tratos a animais no Brasil e justiça

No último dia 29 de setembro, foi publicada a Lei nº 14.064/2020, vulgarmente conhecida como Lei Sansão, cujo nome lhe foi atribuído em virtude dos maus-tratos sofridos pelo cão pitbull Sansão, que foi agredido, amordaçado com arame farpado nos focinhos e teve suas patas traseiras decepadas, gerando grande comoção social e revolta. O caso foi remetido para a Justiça Comum Criminal, como noticiou esta ConJur.

A imprensa deu grande destaque à sanção da lei, já que houve participação do presidente da República, o qual estava acompanhado de um cão na cerimônia.

A Lei Sansão alterou a Lei de Crimes Ambientais (Lei nº 9.605) para acrescentar um parágrafo ao artigo 32, que prevê em seu caput a conduta de "praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, domésticos ou domesticados, nativos ou exóticos", cuja pena é de detenção de três meses a um ano ou multa no tipo fundamental. Já o parágrafo acrescentado pela novel lei trouxe um tipo qualificado, alterando, portanto, as penas mínima e máxima do tipo fundamental, que passaram a ser de dois e cinco anos, respectivamente, com multa e proibição de guarda, in verbis: "§1º-A. Quando se tratar de cão ou gato, a pena para as condutas descritas no caput deste artigo será de reclusão, de 2 (dois) a 5 (cinco) anos, multa e proibição da guarda".

Receba nossas notícias no WhatsApp!Entrar no grupo

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.