Gata cheia de amor acolhe ninhada de outra felina que rejeitou filhotes

Por
em Notícias

Uma ninhada de filhotes em necessidade foi recebida de braços abertos por uma mamãe gata.

Há algum tempo atrás, a organização Little Wonderers, de Nova York (Estados Unidos) que cuida de gatos que não tem lares, encontrou uma gata grávida prestes a dar à luz. Segundo a organização, ela vivia no local abandonado que era sua antiga casa, antes de seu dono falecer.

A gata, Norwey, deu à luz dois dias depois, e após muito estresse foi separada dos filhotes, os quais não demonstrava afeto e agia agressivamente por causa do próprio estresse. Então ela foi mandada para um lar temporário em busca de um permanente.

Já seus filhotes foram socorridos por Tyrone, Megan e sua gata Mandy. Ela já tinha criado sete filhotes que já eram grandes o suficiente para se virarem sem ela. Então quando lhe ofereceram para cuidar dos filhotes de Norwey, ela abraçou a causa.

“Mandy instantaneamente começou a se importar com esses gatinhos, lambendo e cuidando deles. Nos fez chorar lágrimas de alegria” comentou a organização ao portal Love Meow.

Embora tivessem os esforços combinados de Tyrone, Megan e Mandy, somente dois filhotes da ninhada sobreviveram. Elas foram chamadas de Iota e Mu. Elas estão crescendo saudáveis e brincalhonas, aprendendo a comer por si só e, sempre que precisam de ajuda, Mandy entra em cena.

Tyrone às vezes pega seu baixo e toca uma musiquinha para elas.

Enquanto Norwey descansa em seu lar temporário, Iota e Mu se preparam para ir para seu lar temporário em busca de sua nova vida.

Agora, por que Norwey não quis ficar com os filhotes?

Embora em sua maioria as gatas sejam ótimas mães, como por exemplo a própria Mandy, existem alguns casos em que a mãe não queira ficar com um ou mais de seus filhotes.

Um desses casos é a mãe acreditar que o filhote, ou a ninhada, não vai sobreviver, seja por alguma deformidade ou doença. Neste caso, ela pode isolar o filhote em questão dos outros para tentar protegê-los de doenças contagiosas, ou simplesmente não querer amamentá-los por não achar que sobreviverão.

Já o outro lado é possível também, se a mãe acreditar que está doente ou vai morrer. Ela se isola dos filhotes para não correr o risco de contaminá-los.

Mais um caso é a mãe não saber como cuidar dos filhotes, então é responsabilidade do dono ensinar a ela como amamentá-los e como limpá-los, porém isso requer muita paciência.

Outro caso é se a mãe achar que tem filhotes demais, então ela seleciona os que considera mais fortes e saudáveis e abandona os mais fracos, isso acontece geralmente com ninhadas muito grandes.

E por último - e como deve ter sido o caso de Norway - o estresse. As mães escolhem um lugar para fazer seu ninho e modificá-los pode fazer com que não queiram mais aceitar os filhotes. Por isso, é recomendado não mudar o ninho de lugar, só em casos em que possa machucar a gata ou os filhotes. A escolha do ninho é feita alguns dias antes do nascimento dos filhotes.

Também é recomendado que não se toque nos filhotes nas primeiras semanas, pois as gatas podem não aceitar filhotes com cheiro estranho (no caso humano).

Receba nossas notícias no Whastapp! Entrar no grupo

Estudante de jornalismo que é apaixonado por tudo que tenha super-heróis, dragões e faroeste (ele se pergunta todo dia quando que vai lançar um filme misturando os três). Gosta de ler, com um favoritismo em fantasia (por que será?) e adora ver séries em geral. Ama estudar sobre criatividade e sociologia. Tem uma doguinha perfeita e sem defeitos chamada Athena. Também gosta de cinema e matar tempo nas redes sociais vendo memes.