Tutores colocam placa incentivando pedestres a acariciar sua cadela corgi que ama pessoas

Por
em Cães

Por causa da pandemia, muitos bichinhos perderam o costume de conhecer várias pessoas e ganhar vários carinhos. Mas uma cachorra corgi de Portland, Oregon (EUA), acabou recebendo uma “permissão” de seus tutores para que possa interagir com todo mundo que passe na frente de sua casa, afinal, a menina é apaixonada por pessoas.

Segundo os tutores de Potato, a cadelinha tem o hábito de ficar no quintal interagindo com quem passa desde seus seis meses de vida. Mas com a chegada da pandemia, as pessoas que passavam não faziam carinho nela com medo que a sua família não gostasse.

Então os tutores de Potato tiveram uma ideia: fizeram um cartaz pedindo que quem estiver afim de brincar com a doguinha, pode fazer sempre que desejar e ainda é incentivado a isso. Até dá para trazer o seu próprio cãozinho para interagir com a corgi. Se eu fosse levar a minha, a cerca não durava tanto.

Confira abaixo a placa que traduzimos (clique na imagem para facilitar a leitura, se necessário):

Graças a placa, não foram só as pessoas de sempre que vêm visitar a cadelinha, outros que viram o pedido na internet começaram a passar por lá para interagir com Potato e a bichinha não poderia estar mais feliz.

“As pessoas esperam em uma fila com quase dois metros de distanciamento em dias bons” - declarou Cee (que não quis divulgar seu sobrenome), tutor não-binário da doguinha, ao The Dodo. “Às vezes, as pessoas chamam seu nome no quintal enquanto ela está dentro de casa, e ela ansiosamente toca a campainha para sair porque não quer perdê-los. Se estiver um bom dia e não estiver chovendo e estivermos em casa, ela estará lá fora o dia todo, das 10h ao pôr do sol.”

Você pode seguir essa simpática corgi pelo seu Instagram clicando aqui.

Preocupação válida ou não?

As pessoas haviam parado de interagir com Potato por um tempo por medo de transmitir o vírus do Covid-19 para a cadela e depois para a família. Contudo este medo é infundado segundo Paulo Eduardo Brandão, colunista de medicina da revista Abril.

O vírus não consegue entrar nas células dos bichinhos e isso impede a “xerocagem” dele. Mesmo se o vírus for maligno para o animal, a transmissão para os humanos ainda não acontece.

Receba nossas notícias no WhatsApp!Entrar no grupo

Estudante de jornalismo que é apaixonado por tudo que tenha super-heróis, dragões e faroeste (ele se pergunta todo dia quando que vai lançar um filme misturando os três). Gosta de ler, com um favoritismo em fantasia (por que será?) e adora ver séries em geral. Ama estudar sobre criatividade e sociologia. Tem uma doguinha perfeita e sem defeitos chamada Athena. Também gosta de cinema e matar tempo nas redes sociais vendo memes.