Cachorro que esperava dono falecido em frente a hospital reencontra sua família

Hashiko ficou esperando seu dono em frente a uma UPA de Guarujá por dias

Por
em Cães

Um cachorro chamado Hashiko surpreendeu a todos depois de ficar dias esperando seu dono em frente a uma Unidade de Pronto Atendimento (UPA) de Guarujá, no litoral de São Paulo.

Infelizmente, seu dono acabou falecendo. Entretanto, o cão reencontrou sua antiga família, já que havia fugido de casa há cerca de dois meses.

Seus antigos tutores ficaram sabendo da história pelas redes sociais e reconheceram o animal que na verdade se chama Max.

O canino havia fugido de casa e se perdido enquanto sua dona não estava e foi nesse momento que encontrou o homem.

Durante o período que o senhor estava internado na UPA, o animal era alimentado por uma funcionária da unidade e pela vizinhança.

Depois de sua morte, o animal foi resgatado pelo Canil Municipal de Guarujá e estava para adoção quando a família entrou em contato com o canil.

Em entrevista ao G1, Juzilaine Ricardo do Nascimento explicou que Max é a primeira cria de uma cachorra que ela tem.

“Eu quis que ela tivesse a primeira cria, e assim que ela ganhou eu a castrei. Em casa, tenho cinco cachorros”, disse.

Juzilaine relata que Max fugiu quando ela havia viajado e sua mãe estava em sua casa.

“Acho que, em um descuido dela, ele, brincando, acabou indo pela rua e se perdeu. Quando eu cheguei, procurei em vários lugares e não achei. E depois continuamos tentando achá-lo de carro, e nada”, acrescentou.
"Eu vi que era ele, e minha filha também viu. Então, comentei que ele era meu, e que queria buscá-lo, e nesta quinta consegui contato com o canil e fui. Quando minha filha chegou em casa e se deu conta de que ele estava aqui, ela chorou tanto de emoção que soluçava. Foi emocionante", finalizou a jovem.

Hoje, a família vive feliz com a volta de Max. Além disso, ele também ficou muito feliz por reencontrar seus irmãos caninos.

Veja também este vídeo:

6 histórias reais e engraçadas do MUNDO ANIMAL

Uma jornalista quase formada de 21 anos, completamente apaixonada por futebol e animais. É daquelas pessoas que não podem ver um cachorro ou gato na rua que já quer fazer carinho... Do tipo curiosa, gosta de contar boas histórias e aquecer o coração de seus leitores. Um pouco indecisa para os títulos das matérias, confesso, mas dedicada ao ponto de procurar sempre escolher as melhores palavras. Prazer, sou Letícia Michele Schneider, atualmente moradora de Passo Fundo (RS), tenho o sonho de deixar o mundo um pouquinho melhor e quem sabe um dia estar à beira do gramado entrevistando os jogadores da dupla Grenal.