Gato recém-nascido ganha cobertor dos donos e agora adulto não se desgruda dele

Por
em Gatos

Faz cerca de cinco anos que a voluntária e ativista Sara Budzynowski trabalha no Hospital Veterinário Wilson, em Michigan (EUA). Todos os dias ela recebe e cuida de dezenas de filhotes de gatos resgatados das ruas.

Uma história em particular marcou a vida de Sara: em março de 2019, ela recebeu uma ninhada de gatinhos órfãos com três semanas de idade.

Surpreendentemente, os bichanos estavam saudáveis, apesar de terem passado dias nas ruas de Michigan, exceto um, que desenvolveu uma complicada infecção na orelha, obrigando a veterinária a amputá-la.

Batizado no hospital como Renly, o gatinho conquistou a simpatia - e logo o amor - de Sara.

“Cerca de uma semana depois que ele amputou essa parte da calda, levei-o para casa, adotei-o, e o resto foi história”, disse a voluntária ao The Dodo.

Assim que foi adotado, em comemoração à sua chegada no lar adotivo, sua tutora lhe presenteou com um cobertor para dormir e um coelhinho de pelúcia.

Já em janeiro de 2020, o bichano cresceu mas não consegui desapegar do cobertor, tampouco da pelúcia.

Na verdade, Renly leva o cobertor para todo lugar de casa!

“Ele sempre amou seu cobertor desde o dia em que o levamos para casa e geralmente o carrega pelo quarto para onde ele quer dormir com ele”, afirma Sara.

Há algumas semanas, o casal também adotou dois cães: Hotchner e Azula. Como irmão mais velho, Renly começou a compartilhar seu amado cobertor e o coelhinho de pelúcia com seus irmãos.

“Hotchner e Renly dormem no mesmo quarto e, às vezes, quando chegamos em casa do trabalho para passear com eles, vemos que Renly coloca seu cobertor ao lado da caixa de seu irmão e Hotch tenta puxá-lo para dentro da caixa. Em outras palavras, Renly compartilha seus pertences com ele."

Algo que não muda nunca: aonde quer que vá, Renly leva seu cobertor com ele. E quando não é o cobertor, é o coelho de pelúcia!

Por ser seu primeiro presente, significa muito para o bichano. Confira abaixo o gatinho grudado no seu cobertor:

A intenção dos donos é garantir que o cobertor sempre fique com ele.

“Ao longo dos meses, esse cobertor passou por várias lavagens, mas não suporto substituí-lo e pretendo mantê-lo para o resto da vida”, concluiu a mãe coruja.

Receba nossas notícias no WhatsApp!Entrar no grupo

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.