Enfermeira acolhe e cuida de dezenas de animais abandonados e vítimas de maus-tratos em Campo Limpo Paulista, SP

A enfermeira Vanessa Palma Vaiano, de Campo Limpo Paulista, município de São Paulo, é apaixonada por animais desde criança e sempre dá um jeito de ajudá-los por meio do voluntariado.

Apesar do cansaço de trabalhar à noite e a madrugada toda, ela tira o dia para cuidar de 34 animais que acolheu das ruas em situação de abandono - entre cães e gatos.

Vanessa mantém várias casinhas em um terreno cedido na rua de cima de sua casa, onde os animais passam o dia.

Foto: Facebook / Vanessinha Zen
Foto: Facebook / Vanessinha Zen

“O dono do terreno cedeu pra mim, porém ele não deixa colocar alimento lá, por conta dos pombos. Então os cães vêm na porta da minha casa, onde coloco comida, água… Eles comem e depois tiro tudo. E esses animais são todos castrados, vacinados e desparasitados.”.

Ela conta também que ainda possui alguns animais nos chamados ‘lares temporários’, que é quando a pessoa cede um canto na sua casa para receber animais. “O lar temporário que tenho hoje pago 150 reais por mês, mais 15 kg de ração por mês e por animal”, explica.Veja abaixo alguns dos animaizinhos que Vanessa cuida:

O amor pelo trabalho voluntário existe desde criança. “Esse tipo de trabalho de acolhimento, de cuidado, eu sempre fiz, mas antigamente a gente não tinha essa força da rede social, então acabava que os pedidos de ajuda eram em menor quantidade, eram mais os casos com que me deparava na rua. Com a idade que fosse, era eu andar na rua e ver um animalzinho doente, precisando de alguma coisa, que eu voltava pra casa, falava com a minha mãe, que sempre me deu o maior apoio, e a gente recolhia e ajudava“, relembra.

Foto: Facebook / Vanessinha Zen
Foto: Facebook / Vanessinha Zen

Conciliar o trabalho, a vida pessoal e o voluntariado não é fácil para a enfermeira de 33 anos.

“Trabalho à noite, e só em casa eu tenho 11 animais, sendo que 2 são paraplégicos, que exigem troca de fraldas a cada 2 horas por conta de recorrentes infecções de urina, fora outros cuidados com a higiene deles, então é bem complicado. É realmente o tipo de vida que, se você não ama, você pula fora”, conta.

Ela desabafa: “Eu trabalho como cuidadora, eu trabalho a noite, porque não tenho condições de trabalhar durante o dia por conta do Baltazar e da Nina, que precisam de trocas de fraldas a cada 2 horas e de estímulo para as necessidades fisiológicas. Então, eu gasto muita fralda por mês, tamanho XG e a geriátrica P. Gasto também muito papel higiênico, lenço umedecido, pomada, muita ração para toda essa cachorrada… não está fácil sozinha, está muito difícil”.

Foto: Facebook / Vanessinha Zen
Foto: Facebook / Vanessinha Zen

Apesar de todas as dificuldades, Vanessa deseja expandir seu trabalho voluntário. “O sentimento é de pura gratidão, por que se eu não fizesse isso por eles, quem faria? Mas eu também preciso de ajuda, principalmente com ração, tanto pra gato quanto pra cachorro, e também com castração, porque ainda sim quero continuar ajudando os animais de rua. Os pedidos de ajuda são muitos.”

“Ah, é preciso criatividade, sempre buscando não repetir os nomes para não dar confusão na hora de postar no Face pedindo ajuda”, brinca. Para ajudar Vanessa fazendo algum tipo de doação, você pode entrar em contato no número (11) 99877-0762.

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários