Cadela labradora foge e caminha mais de 91 km para visitar antiga casa da família

A cadela, junto da família, havia se mudado há dois anos da antiga residência, mas algum motivo especial a levou lá novamente, para o susto dos donos.

Extremamente sensíveis, os animais são capazes de desenvolver sentimentos e capacidades que são produzidas pelos humanos, entre elas, a memória. Há vários relatos de reencontros entre animais e os seus donos que ficaram por anos sem ver, mas ao se aproximar, os animais os reconheceram imediatamente.

Além das pessoas que amam, os animais também recordam dos lugares que viveram e, às vezes, podem remeter a memória de um lugar à presença do dono, como fez a labradora Cleo.

A cadela, de quatro anos, viveu os seus primeiros anos de vida em uma casa em Lawson, Missouri (EUA), junto dos seus donos, mas um tempo depois, toda a família se mudou para Olathe, Kansas, a 91 quilômetros de distância.

Foto: Reprodução /  KMBC News
Foto: Reprodução / KMBC News

Por algum motivo muito particular e que apenas a Cleo poderia 'responder', um belo dia ela resolveu desaparecer. Desesperados, os donos procuraram por ela por sete dias, na esperança que alguém tivesse a visto pelas redondezas.

Foto: Reprodução /  KMBC News
Foto: Reprodução / KMBC News

O que os donos jamais poderiam ter imaginado, é que Cleo estava a caminho da antiga residência da família. Os atuais moradores se depararam com a cadela quando chegaram na casa, ela estava deitada na varanda, como se estivesse esperando por alguém.

Percebendo que se tratava de uma cadela bem cuidada, os novos moradores a levaram no veterinário e, através de informações de um microchip, eles descobriram o contato dos donos. Quando ligaram para eles, tiveram todos uma grande surpresa: eram os antigos donos da casa.

Foto: Reprodução /  KMBC News
Foto: Reprodução / KMBC News

Assim como os novos moradores, a família da labradora ficou surpreendentemente chocada com a ousadia de Cleo em ter percorrido mais de 91 quilômetros e por encontrar com tanta facilidade o antigo endereço, mesmo depois de dois anos morando longe.

“É a história mais bizarra. Realmente, ela é tudo para nós”, disse Drew, proprietário da Cleo. Agora o morador da casa, Michael, está consciente de quem se trata a visita especial: “Agora que sabemos quem ela é, se ela aparecer novamente, sabemos para quem ligar”, disse.

Foto: Reprodução /  KMBC News
Foto: Reprodução / KMBC News

Mas que danadinha essa Cleo! Ainda bem que - apesar do susto nos donos, coitados - tudo terminou bem!

Ana Caroline Haubert

Jovem (mais na idade do que na postura), curiosa (quem, o quê, onde, como, quando e por quê), analítica (sempre em busca de respostas), e estudante de jornalismo. Com sede de conhecimento, tem calafrios de rotinas monótonas e repetitivas. É ainda, inconformada com mais do mesmo, buscando dessa forma, descobrir o seu lugar no mundo. Prazer, sou Ana Caroline Haubert, gaúcha lá de Passo Fundo. Sugestões, críticas, pautas e opiniões são bem-vindas no meu email: caroline_hauber@hotmail.com

Comentários