Brasileira desenvolve tecnologia revolucionária de tratamento do câncer entre cães

Por
em Notícias

Há cerca de quatro anos, a oncologista veterinária Mona Rosenberg tinha um paciente canino com câncer muito avançado na tireoide.

Por dois anos, o cachorrinho foi tratado com diversas rodadas de quimioterapia. Mas, com tumores tão amplos, o procedimento nem sempre é eficaz. Embora o tratamento estivesse indo bem, o câncer se espalhou para um dos gânglios linfáticos e pulmões do cão.

Uma má notícia como esta poderia ser fatal. Embora as últimas décadas tenham visto uma revolução na forma como o câncer é tratado em humanos, os cães ainda são tratados com as mesmas quimioterapias do século 20 - apesar do fato de que muitos dos tratamentos modernos de hoje foram inicialmente testados em cães. Estranho, né?

Os empresários Ben Lewis, 38, e Christina Lopes, 45, casal que fundou a empresa One Health, com sede em São Francisco, querem mudar isso, conforme o site Forbes.

Um de seus produtos, batizado de FidoCure, combina avanços em engenharia genômica com inteligência artificial (IA) para fornecer tratamentos contra o câncer mais personalizados para cães em conjunto com veterinários e farmácias, usando conhecimentos obtidos no tratamento da mesma doença em humanos.

O resultado é que, ao fazer isso, os dados que coletam também podem ser direcionados para quem ‘segura a coleira’, fornecendo informações sobre o tratamento de cânceres entre os seres humanos.

Casal de empreendedores

Christina e Ben se conheceram em 2012 no Brasil, terra natal da empresária.

Na época, Ben havia fundado uma empresa com sede em São Paulo distribuindo suprimentos de saúde animal na América do Sul.

Christina também estava na capital paulista em busca de oportunidades quando os dois se conheceram em uma conferência. Uma coisa pela qual eles se uniram foi o interesse em cuidados veterinários e saúde animal.

“Eu fiquei tipo, 'Meu Deus, temos que trabalhar nisso!'”, lembra a mulher.

Depois de se casar em 2013 e ter dois filhos juntos, o casal fundou a One Health em San Francisco há quatros e começou a trabalhar no FidoCure.

Como funciona

Inicialmente, a empresa sequencia os genes de uma célula tumoral do cão. Isso ajuda a destacar qual mutação pode estar causando o câncer.

Esses dados genômicos, por sua vez, permitem que o FidoCure forneça um relatório personalizado dos medicamentos recomendados aos veterinários, que podem usá-lo para orientar as decisões de tratamento.

O relatório também recomenda medicamentos contra o câncer para uso em humanos, que podem ser aplicados a cães sem etapas regulatórias adicionais. A empresa também trabalha com uma farmácia de manipulação para desenvolver dosagens para os medicamentos, ideais para os cãozinhos.

No ano passado, a empresa começou a oferecer seu produto examinando genomas de 70 cães e recomendando tratamentos. Desde então, ela já trabalhou com mais de 1.000 pacientes caninos e mais de 300 veterinários. Os resultados até agora mostraram resultados positivos para os pacientes, que a One Health apresentou em conferências científicas.

Resultados surpreendentes

Um desses resultados é o paciente canino com câncer de tireoide da oncologista veterinária Mona Rosenberg.

Depois que o câncer do cão se espalhou para o nódulo linfático, ele foi removido cirurgicamente e Mona trabalhou com a One Health para sequenciar o genoma do câncer. Os resultados encontraram um alvo acionável que pode responder a um medicamento existente. O tratamento foi aplicado, e dois anos depois o cachorro está vivo, saudável e absolutamente feliz. Todos os médicos do consultório de oncologia veterinária de Rosenberg usam o produto da brasileira, diz ela.

“Lembro-me de minha primeira conversa com [Christina]”, lembra a veterinário. “Fiquei muito feliz com os resultados, e do que estamos aos poucos aprendendo”, concluiu.

Receba nossas notícias no Whastapp! Entrar no grupo

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.