Igreja faz homenagem à gatinha que morreu após 12 anos vivendo em sua catedral

Por
em Notícias

A famosa Catedral de Southwark, em Londres (Reino Unido), é tradicionalmente reconhecida por sua importância arquitetônica.

Mas, nos últimos anos, a catedral gótica, que fica na margem sul do rio Tâmisa, ficou conhecida por outro motivo - a presença de uma gata de rua, carinhosamente chamada Doorkins Magnificat, que fez do prédio seu lar por 12 anos antes de falecer no último dia 30 de setembro.

Em um movimento incomum, Andrew Nunn, o reitor da Catedral de Southwark, ofereceu um serviço de ação de graças à ela, transmitido nacionalmente e ao vivo na última quarta-feira (4).

Homenagem

"Doorkins (pronuncia-se ‘Dur-quins’) era extremamente popular e tinha muitos seguidores no Twitter - e também era o foco de muitas visitas de pessoas à catedral", disse Nunn à rede CNN, acrescentando que algumas pessoas que não podiam ter seu próprio gato em casa visitavam a felina todos os dias.
"Quando ela morreu, a resposta foi enorme e sabíamos que tínhamos que fazer algo - não havia como ignorar o fato - e por que faríamos isso; nós a amávamos bastante [...]”. A homenagem era totalmente apropriada.

Doorkins fez da Catedral de Southwark sua casa em 2008, após uma visita ao local entre o Natal e o Ano Novo em busca de comida.

Com o passar dos anos, ela se tornou uma residente da igreja - sempre esparramada nos bancos, passeando pelo altar durante um serviço religioso ou cochilando no feno do presépio na época do Natal.

Status de celebridade

A gatinha até esteve presente durante uma visita da Rainha Elizabeth II em 2012 à Catedral, para quem olhou com indiferença antes de voltar a dormir - para a diversão da Rainha!

No ano passado, por ter ficado cega e surda, Doorkins foi transferida para um abrigo da catedral, onde um oficial da igreja cuidou dela até sua morte tranquila e indolor.

Nas redes sociais, muitas pessoas agradeceram a Nunn pela estadia "maravilhosa" e "comovente" na igreja, compartilhando boas lembranças da bichana.

“Chorei ao descobrir que ela havia morrido. Ela era mais do que um simples gato para nós, era muito querida”, disse a britânica Kate Bottley, que acompanhou a homenagem virtual ao vivo feita pela igreja.

Receba nossas notícias no Whastapp! Entrar no grupo

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.