Cão morre durante banho e pet shop terá que indenizar dona em Vila Velha (ES)

A dona de um cachorro deverá ser indenizada em R$ 3 mil por um pet shop e clínica veterinária de Vila Velha (ES) após o cão ter morrido durante o banho.

Segundo uma testemunha, o animal teria sofrido uma queda e morreu no local.

Consta no site do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo (TJES) que a dona havia levado seu cachorro, de cinco meses, para tomar banho no estabelecimento. Trinta minutos após deixar o local, a mulher recebeu uma ligação da veterinária responsável pelo estabelecimento, informando que o animal havia morrido e que ela deveria buscá-lo.

A mulher destacou no depoimento que o responsável pelo banho do filhote telefonou para contar o que ocorreu, demonstrando culpa pelos fatos.

Uma autópsia demonstrou que o cachorro teve “lesões cranianas recentes associadas à contusão, hemorragia e edema cerebral agudos, com degeneração encefálica difusa aguda e choque circulatório neurogênico, com consequente congestão em fígado, pulmões e rins, e que o que ocorreu foram lesões cranianas encefálicas decorrentes de trauma craniano contuso localizado em região parietal”.

Em sua defesa, a veterinária defendeu que o pet shop e a clínica veterinária, apesar de se apresentarem como única empresa, são estabelecimentos distintos, mas que funcionam lado a lado.

Ela também afirmou que o funcionário do pet shop teria deixado o cachorro cair durante o banho. De imediato, ele o levou à clínica, onde a requerida tentou ressuscitá-lo, mas não conseguiu. Assim, defendeu que ela e a clínica não são responsáveis pela situação.

O juiz do Tribunal de Justiça do Estado do Espírito Santo considerou que houve “falha na prestação de serviços por parte da clínica veterinária e do pet shop.”

Como os estabelecimentos se apresentavam como uma única empresa, o juiz condenou ambos ao pagamento de R$ 10 mil em indenização por danos morais.

Quanto à conduta profissional da médica, o juiz entendeu que a veterinária prestou devidamente os primeiros socorros ao animal. Desta forma, ele julgou improcedente a demanda de indenização por danos morais contra a médica.

Fonte: Folha Vitória

Compartilhe o post com seus amigos!

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários