Carteiro faz amizade com calopsita e ganha animal de presente de tutora

Fonte: Emais Estadão

Era apenas mais um dia de trabalho para o carteiro Nelson quando ele entrou em uma galeria para entregar a correspondência.

Em uma das lojas, que vendia roupas, viu uma calopsita, Sofia, que se apaixonou por ele. “Primeira vez que eu encontrei ela, ela voou pra cima de mim e ficou no meu ombro e não saiu mais”, conta o carteiro.

Acabou virando uma rotina. Toda vez que Nelson aparecia para fazer as entregas nas lojas da galeria, Sofia voava até o seu ombro, enquanto ele fazia seu trabalho. “Se o Nelson não pegasse ela, ela saia voando. Ela começou a ficar nervosa e agressiva comigo”, conta Beth, a tutora da calopsita.

Ao ver o carteiro ir embora, Sofia sempre tentava fugir da loja para persegui-lo, inquieta e hiperativa.

Certo dia, a calopsita conseguiu fugir e sumiu por um mês. Beth já havia se conformado com o seu desaparecimento quando Nelson, passando pela rua da galeria, ouviu ‘gritos’ que muito lembravam os de Sofia.

Ele começou a assobiar, na esperança de encontrá-la. “Eu estava indo para o serviço, entregar as cartas na rua e passei na porta de um prédio. E aí escutei ela gritar, mas não tinha certeza”, disse.

A ave apareceu e pousou no ombro de Nelson. Sensibilizada com a paixão da calopsita pelo carteiro, Beth decidiu dar o pássaro para ele. “Eu senti que realmente ela é apaixonada pelo Nelson. Daí, dei ela para o Nelson”, contou.

A esposa do carteiro gostou do presente. “O que que a gente vai fazer com tantos filhotes nessa casa, porque ela já colocou nove ovinhos. Vamos ver se vai vingar, né? Minha paixão é pássaro. Por mim, enchia essa casa da pássaro”, afirma.

Nelson trabalha nos Correios há quase 40 anos. Ele tem uma teoria para explicar tamanha paixão por parte da ave. “Não sei, talvez pela roupa amarela, ela me viu como um grande pássaro”, se diverte.

Compartilhe o post com seus amigos!

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários