Cadela corre em busca de ajuda após dona, uma idosa de 88 anos, cair no meio da rua durante passeio

Por
em Notícias

A cadela Sandy aprendeu desde pequena a pensar rápido em situações delicadas e que envolvem tensão. Treinada como animal de resgate, ela foi adotada pela aposentada Gwendola Johnson, de 88 anos, que mora na Califórnia, Estados Unidos, de modo a ajudá-la no dia a dia.

Poucos meses após ser adotada, Sandy precisou colocar em prática seu treinamento no abrigo: sua dona sofreu uma queda no meio da rua, a algumas dezenas de metros de casa, e precisou de ajuda para se levantar, pois sozinha não conseguiria.

Naquele dia, o coletor de recicláveis Kirk White estava passando no bairro para fazer a coleta de rotina. Ele já estava acostumado a ver Sandy observá-lo da janela, então, quando Sandy veio correndo do lado de fora, White soube na hora que algo estava errado.

Acontece que a casa da idosa fica no topo de uma ladeira íngreme. Ela caiu justamente no meio do caminho, impossibilitando a visão de White, que só conseguia ver a cachorrinha.

Sandy lutou muito para chamar a atenção do coletor, latindo até ele não conseguir mais ignorá-la. Curioso, ele foi até a ladeira e encontrou Gwendola caída no chão, pedindo ajuda.

“Ela estava no chão, incapaz de se levantar”, disse White. "Eu sei que estava muito calor naquela sexta-feira ... ver alguém no sol, não estava certo de jeito nenhum."

White ajudou Johnson a se levantar. Ele também verificou se ela não tinha ferimentos e, felizmente, ela parecia saudável.

Sandy salvou a vida de sua dona, mas ela não foi a única heroína naquele dia… A sensibilidade de White em compreender os sinais da cachorra, ao invés de ignorá-la por completo, foi absolutamente essencial para socorrer a idosa.

“[Ele] realmente fez um esforço. Nem todo mundo gosta [de cães]”, disse Malvar, neta de Gwendola. “Ele investigou e estava ciente o suficiente para saber que algo estava errado. Nós o amamos. Ele sempre terá amigos aqui.”

No entanto, White disse que estava apenas fazendo o que qualquer ser humano faria.

“Se trata de ajudar outro humano, é isso que devemos fazer”, disse o coletor. “Depois disso, eu estava pensando que quero uma cachorra como Sandy. Podemos aprender algo com os animais, sempre”, concluiu.

Receba nossas notícias no WhatsApp!Entrar no grupo

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.