Shopping com máquina de jogos que oferece cães e gatos vivos como brindes na China revolta internautas

Por
em Notícias

A China se tornou palco de mais uma polêmica recentemente. Um shopping de Xangai gerou polêmica ao instalar uma máquina de jogos que tinha como prêmio animais vivos que estavam alocados dentro do equipamento.

Conforme informou o Daily Mail, estavam espremidos em cubículos, 14 filhotes de cães e gatos que mal tinham espaço para ficar em pé, ficaram expostos à clientela. Enquanto muitas pessoas disputavam os prêmios vivos, outras pessoas protestaram contra a crueldade com os filhotes.

O incidente veio à tona depois que uma supermodelo chinesa, Ju Xiaowen, compartilhou a filmagem na terça-feira com seus mais de três milhões de seguidores no Weibo, uma rede social chinesa semelhante ao Twitter.

A indignação das pessoas não passou despercebida e muitos internautas salientaram que os animais aparentavam estar cansados e sem energia nas jaulas, possivelmente pela falta de circulação de ar.

Tamanha foi a repercussão negativa, que a empresa responsável pela máquina teve que removê-la e emitir um pedido formal de desculpas, alegando que nenhum animal foi prejudicado durante o processo.

Após a remoção da máquina, a empresa afirmou que os animais receberam a vistoria de uma médico veterinário.

"Entendemos sinceramente as sugestões levantadas pelos internautas. Ao mesmo tempo, decidimos encerrar o projeto para retificação. A máquina não será colocada em lugares lotados, como shoppings, antes de um novo plano ser lançado. Enquanto isso, vamos melhorar os problemas da máquina e do processo interativo", divulgou a empresa.

Veja o vídeo:

Lei de proteção animal na China

Culturalmente, a China é um país que nunca se dedicou a proteger e zelar pela vida dos animais, pelo contrário, a região já registrou muitas maldades contra eles.

A Humane Society International estima que cerca de 10 milhões de cães ainda são mortos todos os anos na China para que sua carne seja consumida. A cidade de Yulin, na região de Guangxi, realiza anualmente um festival com essa finalidade.

Em Hong Kong, a lei de proteção a animais existe, entretanto, é limitada a animais com tutores. Felizmente, a pressão internacional e de ativistas da causa animal tem sido efetiva para que o governo chinês considere a criação de leis para animais domésticos (incluindo os de rua), mas ainda é notória a falta de apoio popular.

Jovem (mais na idade do que na postura), curiosa (quem, o quê, onde, como, quando e por quê), analítica (sempre em busca de respostas), e estudante de jornalismo. Com sede de conhecimento, tem calafrios de rotinas monótonas e repetitivas. É ainda, inconformada com mais do mesmo, buscando dessa forma, descobrir o seu lugar no mundo. Prazer, sou Ana Caroline Haubert, gaúcha lá de Passo Fundo. Sugestões, críticas, pautas e opiniões são bem-vindas no meu email: caroline_hauber@hotmail.com