Leitão salvo de churrasco é acolhido por homem e recebe 2ª chance de ser feliz sendo seu pet

Nas três primeiras semanas da vida do porquinho Albert, ele morou em uma fazenda com sua mãe e quatro irmãos. Ele passava os dias sendo amamentado e envolto pela mãe, protegido do frio.

Albert deveria ter ficado com sua família por muitas semanas mais, porém tudo mudou com a chegada de cinco homens na fazenda de seus donos.

Foto: Arquivo Pessoal / Karen Acoveno
Foto: Arquivo Pessoal / Karen Acoveno

Eles queriam comprar porcos para assar em um churrasco, de acordo com Mike Stura, fundador da ONG Skylands Animal Sanctuary and Rescue, de Wantage, nos Estados Unidos. Os jovens queriam especialmente Albert e seus irmãos, que são da raça Kunekune, nativa da Nova Zelândia.

Foto: Arquivo Pessoal / Karen Acoveno
Foto: Arquivo Pessoal / Karen Acoveno
Foto: Arquivo Pessoal / Karen Acoveno
Foto: Arquivo Pessoal / Karen Acoveno

"Até onde eu sei, quatro deles compraram leitões para o abate, e apenas um não", disse Mike ao portal The Dodo. "Um homem comprou Albert para acolhê-lo, e não para matá-lo”.

O porquinho permaneceu a salvo, mas dessa vez, passou a ser cuidado por um casal de fazendeiros. “Infelizmente, ele nunca mais viu a mãe, mas ao menos está sendo bem tratado e amado nesse novo lar. Lamento pelos irmãos dele, que não tiveram a mesma sorte”, disse Mike.

Foto: Arquivo Pessoal / Karen Acoveno
Foto: Arquivo Pessoal / Karen Acoveno
Foto: Arquivo Pessoal / Karen Acoveno
Foto: Arquivo Pessoal / Karen Acoveno

Albert costuma ficar envolto em um cobertor, como um bebê. "Ele nem tenta fugir, o que é engraçado porque os porcos não gostam de ser apanhados às vezes. Mas ele gosta de ser abraçado. Ele parece gostar de pessoas".

Saiba mais assistindo ao vídeo abaixo:

Foto: Arquivo Pessoal / Karen Acoveno
Foto: Arquivo Pessoal / Karen Acoveno

Gabriel Pietro

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.

Comentários