Idosa é salva por pit bull que ela chamava de ‘cachorro mau’

Por
em Notícias
Os dois moram no mesmo prédio, e a idosa negava toda e qualquer aproximação do cachorro alegando ter medo da raça, mas o inesperado aconteceu e ele foi o responsável por salvar a sua vida.

Se você é do tipo de pessoa que julga o comportamento de um cão pela raça, precisa conhecer essa história, mas se você não possui esse preconceito só vai reafirmar o que pensa sobre.

Simba é um adorável pit bull que vive na Suécia com o seu dono, Arjanit Mehana, e embora nunca tivesse tido nenhum comportamento agressivo, havia uma idosa que morava no prédio que tinha uma visão ruim do cão.

O dono conta que Simba sempre tentava se aproximar da senhora, mas era impedido já que ela alegava ter medo e o chamava de ‘cachorro mau’. O que a idosa não imaginava, era que o ‘cachorro mau’ seria o responsável por salvar a sua vida.

Quando voltavam de um passeio, Simba parou em frente ao apartamento da idosa, e começou a latir freneticamente enquanto arranhava a porta. Confuso, Arjanit tentou puxar Simba, mas em seguida ele ouviu uma voz fraca pedindo por socorro, era a idosa.

Ela havia caído, quebrado o quadril e estava naquela situação há dois dias, então rapidamente Arjanit chamou o socorro. Arjanit já conhecia a natureza doce de Simba, mas a atitude surpreendeu e idosa.

“Ela disse: 'Obrigada por me ouvir'. Eu pensei que ela estava falando comigo no começo”, relembra o dono de Simba. “Mas então ela disse: 'Não, você não - o cachorrinho legal'.”

Segundo Arjanit, ele conversou com um dos parentes de uma vizinha e eles disseram que ela foi operada e está se recuperando.

Em entrevista ao Bored Panda, Arjanit disse que não tinha ideia de que a história sobre o seu cachorro se tornaria viral, mas que ficou feliz em saber que pôde compartilhar uma situação positiva sobre os pit bulls com o mundo.

“Pessoas de diferentes partes do mundo escreveram e compartilharam feedback positivo”, disse ele.

Jovem (mais na idade do que na postura), curiosa (quem, o quê, onde, como, quando e por quê), analítica (sempre em busca de respostas), e estudante de jornalismo. Com sede de conhecimento, tem calafrios de rotinas monótonas e repetitivas. É ainda, inconformada com mais do mesmo, buscando dessa forma, descobrir o seu lugar no mundo. Prazer, sou Ana Caroline Haubert, gaúcha lá de Passo Fundo. Sugestões, críticas, pautas e opiniões são bem-vindas no meu email: caroline_hauber@hotmail.com