Gato traz cobra de duas cabeças raríssima para casa e assusta comunidade

Por
em Notícias

O gato de uma família de Palm Harbor, na Flórida (EUA), trouxe uma cobra raríssima com duas cabeças para sua casa após encontrá-la durante um passeio pela vizinhança.

O achado raro assustou os moradores de Palm Harbor, mas atraiu grande cobertura da mídia local. Um repórter da CNN brincou que se o mesmo réptil tivesse nascido na Grécia há dois mil anos, viraria fonte de inspiração para alguma história mitológica.

“É a primeira cobra de duas cabeças que eu vi pessoalmente, embora já a tenha observado em tartarugas antes”, disse o herpetologista Jonathan Mays à CNN.

Ele trabalha no Instituto de Pesquisa de Peixes e Vida Selvagem da Flórida, Wildlife Conservation, e busca resgatar e proteger esses animais.

"Um espécime semelhante, com duas cabeças, também foi encontrada recentemente na Virgínia, mas infelizmente morreu em poucas semanas", relatou.

Na prática, são duas cobras que compartilham o mesmo corpo. Não se sabe qual delas o controla de fato, ou se elas compartilham do mesmo nível de controle e ‘revezam-se’ entre si.

“É improvável que as cobras de duas cabeças sobrevivam na natureza, pois os dois cérebros tomam decisões diferentes que inibem a capacidade de se alimentar ou escapar de predadores”, escreveu o instituto de pesquisa em um post no Facebook.

Ambas as cabeças balançam e a língua reagem a estímulos, mas nem sempre da mesma maneira.

Essa espécie em particular é encontrada abundantemente nas áreas rurais e urbanas da Flórida, mas também em toda a costa leste norte-americana. Elas não são venenosas, mas mordem - suas presas afiadas podem causar ferimentos profundos, com forte sangramento da região atingida.

As cobras de duas cabeças não duram muito na natureza, pois elas podem tomar decisões diferentes de forma simultânea, inibindo sua capacidade de movimento.

Por que elas nasceram com duas cabeças?

A cobrinha da Flórida adveio de dois embriões que não se separaram corretamente.

"Este fenômeno, denominado bicefalia, é incomum, mas ocorre durante o desenvolvimento do embrião, quando dois gêmeos monozigóticos não se separaram, deixando as cabeças unidas em um único corpo", escreveu o instituto de pesquisa.

A bicefalia é encontrada em outros animais além das cobras, incluindo porcos, cabras e tubarões. Por causa da incapacidade da cobra de sobreviver na natureza, o instituto de pesquisa acolheu a cobra e está monitorando sua saúde.

"Atualmente, estamos tentando mantê-la viva, pois ela não tem a capacidade natural de se alimentar sozinha", disse Mays. "A maioria dos répteis bicéfalos morre nas primeiras semanas devido a problemas de alimentação / digestão."

O réptil completou um mês de vida recentemente e consegue comer a cada dois dias. Assim que estiver em melhores condições de saúde, o instituto de pesquisa planeja colocá-la em um museu ou zoológico para que outras pessoas a conheçam.

Receba nossas notícias no Whastapp! Entrar no grupo

Gabriel Pietro têm 20 anos, é redator e freelancer. Fundou o Projeto Acervo Ciência em 2016, com o objetivo de levar astronomia, filosofia e ciência em geral ao público. Em dois anos, o projeto alcançou milhões de internautas e acumulou 400 mil seguidores no Facebook. Como redator, escreveu para vários sites, como o Sociologia Líquida e o Segredos do Mundo. Ainda não sabe se é de humanas ou exatas, Marvel ou DC, liberal ou social-democrata. Ama cinema, política, ciência, economia e música (indie). Ainda tentando descobrir seu lugar no mundo.