Mãe responde críticas por adotar cão tendo bebê em casa: 'Ele me adotou e me faz bem'

Cecília virou amiga inseparável de Chiquinho, depois que sua mãe o resgatou da rua todo molhado

Por
em Aqueça o coração

A amizade entre Cecília e Chiquinho é de deixar um quentinho no peito. O canino que foi encontrado na rua acabou se tornando o grande amigo da menina de 1 ano e cinco meses.

Em uma publicação do dia 07 de dezembro, no seu perfil no Facebook, Sheila Nicácio contou que encontrou o canino todo molhado e assustado embaixo de um carro.

“É macho, ama crianças (Ceci foi a cobaia e aprovou), ama brincar de bolinhas e é super amoroso, infelizmente não tenho condições de ficar, perguntei a idade, mas ele não quis falar, acho que está com vergonha”, destacou Sheila na publicação.

No entanto, a carioca acabou mudando de ideia a respeito da adoção do animal, depois de Cecília e o doguinho se darem muito bem.

No dia 24 de dezembro, Sheila publicou no grupo do Facebook “Arrombadinhos fofos do kralho” imagens dos dois brincando alegremente.

“Sheila, você é maluca de pegar um cachorro de rua tendo uma bebê de um ano em casa, ele pode atacar e morder ela. Abaixo as cenas fortes dos ataques que ela sofre”, escreveu na legenda da publicação.

Em uma das imagens, Cecília até aparece brincando de cabo de guerra com Chiquinho.

Além disso, Sheila compartilhou um vídeo onde finge bater em Cecília e imediatamente o cão começa a impedi-la com fortes latidos e querendo morder sua mão.

Ao todo, a publicação teve 1,3 mil curtidas e 58 comentários.

“Esse vídeo está a cara daquele meme: ‘Não se mete com criança não, pela criança eu dou minha vida graças a Deus’”, brincou Thayane.
“Amor para a vida! Melhor coisa crescer com um serzinho desses”, observou Kelly.

Em entrevista exclusiva ao Amo Meu Pet, Sheila contou que em menos de 24 horas que havia colocado Chiquinho dentro de casa, já estava se achando o “dono do pedaço”.

“Escolheu o próprio cantinho de dormir, brincou com minha baby como se a conhecesse há tempos, e fora que é super carinhoso e educado”, disse.
“Tenho certeza que ele era de alguém que tinha crianças. E também a pessoa tinha carro, porque ele entra em carro e já deita no pé do carona, como se já fosse acostumado”, acrescentou a carioca.

Sheila esclarece que Chiquinho sempre vinha em direção às duas querendo brincar, quando levava Cecília para a creche.

“Como eu a ensinei a Cecília a não ter medo de bichos, ela colocou a mão sem nem pensar”, detalha a mãe.
“Não foi eu que o adotei e o salvei, mas foi ele que me adotou e tá me fazendo muito bem”, finalizou.

Lindo de ver a relação do cãozinho e a bebê, desmistificando muitos que abandonam seus pets quando estão para receber uma criança. Que exemplo!

Assista também:

A história da pit bull voadora, do cão ladrão de churrasco e mais no Jornalzinho Amo Meu Pet:

Uma jornalista quase formada de 21 anos, completamente apaixonada por futebol e animais. É daquelas pessoas que não podem ver um cachorro ou gato na rua que já quer fazer carinho... Do tipo curiosa, gosta de contar boas histórias e aquecer o coração de seus leitores. Um pouco indecisa para os títulos das matérias, confesso, mas dedicada ao ponto de procurar sempre escolher as melhores palavras. Prazer, sou Letícia Michele Schneider, atualmente moradora de Passo Fundo (RS), tenho o sonho de deixar o mundo um pouquinho melhor e quem sabe um dia estar à beira do gramado entrevistando os jogadores da dupla Grenal.